A autoridade que controla a aviação civil em Portugal está a monitorizar a erupção de um vulcão na Islândia, esta sexta-feira de madrugada, para determinar as medidas a adotar no espaço aéreo, disse à Lusa fonte da entidade.

O Instituto Nacional de Aviação Civil está a «acompanhar os acontecimentos e a aguardar o desenvolvimento da situação na Islândia», através da estrutura de crise do Eurocontrol, que faz a gestão do espaço aéreo da União Europeia, adiantou a mesma fonte.

O vulcão Bardarbunga, na Islândia, entrou esta sexta-feira de madrugada em erupção, tendo aquele país interditado o espaço aéreo na zona por precaução.

«Uma erupção vulcânica começou (...) pouco depois da meia-noite», indicou a Proteção Civil da Islândia em comunicado, adiantando que subiu o nível de alerta para vermelho o mais grave da escala ¿ e que interditou o tráfego aéreo na região.

A erupção está localizada no Holuhraun, um campo de lava no centro da ilha, longe das zonas de residência, referiu a entidade, acrescentando que, até agora, «não foram detetadas cinzas vulcânicas no sistema de radares».

Há quase duas semanas que o Bardarbunga colocou à Islândia em situação de alerta, quando os movimentos sísmicos começaram a acontecer na caldeira do vulcão, situado numa região glaciar.

A retirada de turistas foi ordenada há uma semana, como medida preventiva.

O Bardarbunga, um dos maiores vulcões na Islândia, não entra em erupção há mais de um século.

Em 2010, a erupção de um outro vulcão islandês, o Eyjafjallajokull, provocou o maior encerramento do espaço aéreo decretado na Europa em tempo de paz. Mais de 100.000 voos foram anulados num mês e mais de oito milhões de passageiros foram afetados.

Na semana passada, o geofísico Fernando Carrilho admitiu à Lusa que o Bardarbunga é «mais perigoso» do que o Eyjafjallajokull.