Quarenta crianças de um jardim-de-infância de Odivelas, pertencente a uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), estão sem aulas desde terça-feira, devido ao encerramento definitivo daquele equipamento, disse esta quarta-feira à Lusa um dos encarregados de educação.

O equipamento escolar, situado no bairro da Urmeira, concelho de Odivelas, em Lisboa, era gerido pela Associação Prosális, uma IPSS para a saúde, de utilidade pública, que trabalha nas áreas de prevenção, tratamento e reintegração socioprofissional de toxicodependentes e apoio a populações desfavorecidas.

Em declarações à agência Lusa, Pedro Ferreira, um dos encarregados de educação dos alunos do jardim-de infância da Urmeira, explicou que os pais foram informados no dia 11 de março, através de um comunicado, de que o equipamento iria encerrar em definitivo no final deste mês, mas que nunca pensaram que seria tão rápido.

«Na terça-feira os portões estavam fechados, mas existia uma informação na entrada a dizer que seria só durante aquele dia. Hoje quando lá chegámos deparamo-nos com uma nova informação [a dizer] que o encerramento seria definitivo», contou.

Pedro Ferreira sublinhou que este cenário deixa 40 crianças sem escola e os pais sem alternativa: «Os pais estão desorientados à procura de respostas e alternativas. Falou-se de se arranjar uma sala de aula para as crianças estarem no bairro do Forno (bairro vizinho), mas a maior parte não tem dinheiro para os passes», apontou.

A Lusa tentou contactar a Associação Prosális, mas a chamada telefónica era sempre reencaminhada para o fax, situação que está a acontecer também com os pais que têm tentado ligar para a sede da IPSS, em Lisboa.

«Ninguém fala connosco, ninguém dá a cara. Ouvimos dizer que a diretora da Prosális se teria demitido, mas não sabemos se é verdade», disse.

Entretanto, contactada pela Lusa, fonte da Câmara de Odivelas explicou que a autarquia teve conhecimento do encerramento no dia 12 deste mês através do comunicado que os encarregados de educação receberam da Prosális.

No comunicado, a que a Lusa teve acesso, a IPSS justifica o encerramento com uma ordem do Tribunal de Lisboa, na sequência de um pedido de insolvência que uma antiga funcionária da instituição teria efetuado.

A IPSS refere ainda que se encontra a «atravessar um período de grandes dificuldades financeiras devido a uma série de fatores, nomeadamente o encerramento de três Ateliers de Tempos Livres e o encerramento do Governo Civil de Lisboa», assim como a perda de «outros apoios financeiros».

De acordo Câmara Municipal de Odivelas, o Instituto da Segurança Social já se manifestou disponível para encontrar uma solução para esta situação, que permita a «permanência destas crianças em jardim-de-infância ou creches, dentro do concelho».

«Foi referido que não seria fácil, uma vez que estávamos em Março e as entidades com estas valências poderiam ter a sua capacidade já preenchida, mas iriamos dar o nosso melhor para que fosse possível esta integração», refere a autarquia de Odivelas.

A Lusa tentou contactar o Instituto de Segurança Social, mas tal não foi possível até ao momento.