O Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto vai começar a revistar malas, sacos e até carros de doentes e funcionários de forma a evitar o roubo de bens.

Segundo avança jornal Diário de Notícias, este tipo de controlo será efectuado sempre que possível, mas existem dúvidas em relação à legalidade desta medida. Esta medida está contemplada num documento intitulado "Procedimento de Controlo de bens do IPO do Porto", publicado no final do ano num boletim informativo que o instituto faz para os seus colaboradores.

O IPO minimiza o impacto destas ações, que surgem no âmbito de uma auditoria de qualidade, garantindo que são comuns a outras unidades hospitalares e empresas privadas.

Caberá à empresa de segurança privada a realização destas revistas em todas as saídas deste hospital e em locais preferencialmente resguardados e discretos.

Advogados e profissionais questionam a legalidade e o exagero destas fiscalizações.