A última primavera em Portugal Continental correspondeu à nona mais quente desde 1931, e os valores médios da precipitação foram inferiores ao normal, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O boletim climatológico do IPMA referente aos meses de março, abril e maio indica que a primavera de 2014 foi caraterizada por «valores médios da quantidade de precipitação inferiores ao normal e valores da temperatura mádia do ar, superiores».

De acordo com o IPMA, o trimestre, com uma temperatura média de 14,9 graus centígrados, foi superior ao normal, com um desvio de mais 1,3 graus centígrados, em relação a valores médios.

Esta primavera correspondeu à nona mais quente desde 1931, tendo sido a mais quente em 1997, refere o IPMA, avançando que «valores da temperatura média superiores aos registados nesta primavera ocorreram apenas em cerca de 10 por cento dos anos».

O boletim indica também que o valor médio da quantidade de precipitação no trimestre de março a maio, 191.6 milímetros, foi inferior ao valor médio com um desvio de menos 19.8 milímetros.

O IPMA classificou a primavera de 2014 como «normal».

O documento adianta que o mês de abril registou «valores de temperatura média e de precipitação superiores ao normal».

Como «fenómenos relevantes» da última primavera, o IPMA destaca a ocorrência de duas ondas de calor, uma entre 05 e 17 de abril, que se registou em Bragança, Miranda do Douro, Castelo Branco e Vila Real, e outra entre 28 de abril e 18 de maio, que ocorreu em especial nas regiões do interior.

O outro «fenómeno relevante» destacado pelo IPMA é a queda de neve na Serra da Estrela a 24 de abril e entre 20 e 23 de maio.