As temperaturas mínimas e máximas vão descer a partir desta sexta-feira, prevendo-se também chuva, vento forte nas terras altas e queda de neve acima dos 1.000/1.200 metros, disse à agência Lusa a meteorologista Madalena Rodrigues.

«Vamos ter hoje a passagem de uma superfície frontal que vai causar uma descida das temperaturas», explicou a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), salientando, contudo, que a partir de terça-feira a tendência é para voltarem a subir.

De acordo com Madalena Rodrigues, prevê-se para hoje nas regiões do norte e centro períodos de céu muito nublado, chuva, em geral fraca, no Minho e Douro Litoral, estendendo-se gradualmente às restantes regiões, passando a regime de aguaceiros a partir da tarde.

Está também prevista queda de neve acima de 1.000/1.200 metros, a partir do final da tarde, vento fraco a moderado de sudoeste, soprando moderado a forte nas terras altas, rodando gradualmente para noroeste a partir da tarde, neblina ou nevoeiro matinal e descida da temperatura máxima.

«No sul, vamos ter períodos de céu muito nublado aumentando de nebulosidade no alto Alentejo, com ocorrência de chuva fraca para o final do dia, vento em geral fraco do quadrante oeste soprando temporariamente moderado no litoral e neblina ou nevoeiro», disse.

A meteorologista do IPMA adiantou que está também prevista uma descida da temperatura máxima, em especial nas regiões do interior norte e centro.

No que diz respeito ao fim de semana, Madalena Rodrigues informou que no sábado prevêem-se períodos de céu muito nublado até ao final da manhã, alguns aguaceiros fracos nas regiões do norte e centro e no sul mais fracos até ao final da manhã.

Está também prevista queda de neve acima dos 1.000/1.200 metros, podendo durante a noite baixar a quota gradualmente para os 800/1.000 metros, vento moderado de noroeste e forte nas terras altas, descida da temperatura mínima nas regiões do norte e centro e descida da máxima no interior norte e centro.

«Quanto às temperaturas, hoje descem um pouco e amanhã [sábado] também nas regiões do norte e centro e no domingo dia 23 desce a mínima, mas sobe a máxima», observou Madalena Rodrigues, salientando que os próximos dias vão ser de algumas oscilações em termos de temperaturas.

A meteorologista disse que a tendência a partir de terça-feira é para a subida das temperaturas.

«Sábado vai ser o dia com as temperaturas máximas mais baixas: 11 graus Celsius nas regiões do interior norte, entre 13 e 15 graus no litoral e no interior norte e centro entre os quatro e os sete», antecipou.

Níveis muito elevados de pólenes no Alentejo e Algarve

O Alentejo e o Algarve apresentam, até 27 de março, níveis muito elevados de pólenes, enquanto a Estremadura e a zona de Lisboa terá níveis elevados, prevê hoje a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

Segundo o boletim polínico semanal da SPAIC, são esperados no Alentejo e no Algarve valores muito elevados de pólenes de plátano, cipreste, azinheira, pinheiro e urtigas.

Para a Estremadura e a zona de Lisboa, os níveis elevados de pólenes destacam-se nos de plátano, cipreste, pinheiro, azinheira e urtigas.

A SPAIC aponta, ainda, graus moderados de pólenes para as regiões de Trás-os-Montes, Alto Douro, Douro Litoral, Beira Litoral, Centro e Beira Interior e valores baixos na Madeira e nos Açores.

Em Trás-os-Montes e Alto Douro, são aguardados níveis moderados de pólenes sobretudo de cipreste, pinheiro, plátano, carvalho e gramíneas. Nas regiões de Douro Litoral e Porto, Beira Litoral e Centro e Beira Interior, os mesmos níveis predominam nos pólenes de cipreste, pinheiro, plátano, carvalho e urtigas.

Na Madeira, os pólenes encontram-se em patamares baixos, como os de cipreste, erva parietária, gramíneas e eucalipto, enquanto nos Açores são os de erva parietária, cipreste e gramíneas.