Dentro de poucos meses, os turistas que queiram conhecer a cidade do Porto orientados por guias turísticos formados no âmbito de um projeto que pretende reintegrar ativamente cidadãos sem-abrigo poderão fazer essa opção on-line.

Em declarações à Lusa, o coordenador do projeto «Rota da Mudança», da Welcome Home (ideia de negócio incubada na Universidade Católica Porto), explicou que dos cinco formandos selecionados e que atualmente frequentam a ação de formação «Hospitalidade e Experiência Turística», dois estarão no terreno «o mais tardar no início de 2014».

Atualmente, apenas quatro formandos se mantêm no projeto. Um dos selecionados acabou por abandonar a formação, mas por um bom motivo. «Emigrou para os Estados Unidos», contou Alfredo Figueiredo da Costa.

«Na sequência da divulgação através dos meios de comunicação social desta iniciativa, no início de julho, o antigo patrão soube da situação do Nélson e convidou-o a regressar. Levámo-lo na sexta-feira ao aeroporto e ele estava muito feliz com esta nova oportunidade», disse o coordenador do projeto «Rota da Mudança».

Depois de uma primeira fase da formação, em que foram planeados os percursos e os conteúdos históricos e culturais, a Welcome Home desenvolve atualmente o curso «Hospitalidade e Experiência Turística», que os sem-abrigo frequentam desde julho.

Promovida pela Faculdade de Educação e Psicologia da Católica Porto, esta formação encontra-se estruturada em três núcleos temáticos centrais: «Hospitalidade e Turismo», «Acolhimento Interpessoal e Comunicação Humana» e «Roteiros de Hospitalidade». Este conjunto de estudos pretende cultivar, nas pessoas sem-abrigo, uma leque variado de técnicas para receber todo o tipo de visitantes da cidade.

No final, serão selecionados dois formandos para integrarem a experiência piloto no terreno durante um ano. Receberão uma remuneração fixa mensal correspondente ao ordenado mínimo, podendo o valor aumentar de acordo com determinados objetivos.

Os promotores deste projeto estabeleceram parcerias com entidades regionais e locais ligadas ao turismo, mas irão também disponibilizar bilhetes on line, que terão um preço de dez euros por pessoa. Os grupos que não deverão ultrapassar os dez turistas e os percursos pedestres terão uma duração de cerca de duas horas.