Seis dos 74 sírios que chegaram a Portugal com passaporte falso vindos da Guiné foram intercetados após a fronteira de Vilar Formoso, confirmou o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras este domingo à TSF.

Segundo a rádio, os quatro adultos e duas crianças viajavam num autocarro de longo curso em direção a Paris, França. Com eles levavam apenas os documentos que provam o pedido de asilo em Portugal. Estes cidadãos têm liberdade de movimentos em território português, pelo que o seu desaparecimento do centro onde estavam abrigados teve de ser comunicado como explicou o próprio ministro da Administração Interna. Um procedimento habitual depois do seu desaparecimento na sexta-feira. O grupo que abandonou as instalações da Segurança Social era composto por dez pessoas. Quatro ainda não regressaram.

A deteção da irregularidade foi feita pela Guardia Civil Espanhola e os sírios já regressaram entretanto à colónia balnear O Século, no Estoril.

A direção do SEF adianta, no entanto, que o Governo português está disponível para dar asilo a estes cidadãos, que aguardam agora pelos documentos que permitam que a circulação e o acesso a proteção subsidiária no espaço europeu, como noticia a TSF.

À agência Lusa, o SEF reconheceu estar a acompanhar a situação, mas sublinhou que, «no caso de requerentes de asilo, a legislação nacional em vigor não permite a detenção, pelo que nunca será possível falar em fuga».

O Estado, adiantou o SEF, «faculta instalações para acolhimento não havendo impedimento a instalação noutro local, caso os próprios assim o entendam e possam assegurar».

Segundo este serviço, alguns dos sírios do grupo demonstraram insatisfação quanto ao lugar de alojamento e vontade de ir para um hotel.

No dia 10 de dezembro, 74 sírios com passaportes falsos foram embarcados em Bissau num avião da TAP para Lisboa, num caso que provocou o cancelamento dos voos diretos da transportadora aérea portuguesa para Bissau e ainda o pedido de demissão de dois ministros guineenses do Governo de transição.

O Governo guineense referiu no sábado que pretende divulgar os resultados do inquérito instaurado na sequência do incidente com o avião da TAP na segunda-feira.