A recuperação do espírito romântico do Parque de Monserrate, em Sintra, onde é possível viajar do México ao Japão através da botânica, como era moda no século XIX, foi reconhecida internacionalmente como o melhor restauro de um jardim histórico.

Monserrate recebeu um European Garden Awards na categoria de «Melhor Desenvolvimento de um Parque ou Jardim Histórico», um prémio que é atribuído anualmente desde 2010 pela European Garden Heritage Network.

«O prémio não é um prémio sobre algo que está acabado, é um prémio que reflete um esforço imenso que foi feito por um conjunto diversificado de pessoas em Monserrate e não é um ponto de chegada, mas é sim um ponto intermédio num trabalho que tem vindo a ser desenvolvido de há décadas a esta parte e que continuará a ser desenvolvido daqui para a frente», disse à agência Lusa Nuno Oliveira, responsável pela Área de Parques e Jardins da empresa Parques de Sintra.

Este responsável salientou que «falta fazer muita coisa», nomeadamente em algumas estruturas do jardim que ainda não foi possível recuperar, até porque um jardim demora anos a fazer.

O prémio reconhece a recuperação de todo o património, desde aos socalcos regados por irrigação como faziam os mouros, aos caminhos sinuosos, aos lagos e às ruínas românticas, deixadas propositadamente assim, para se confundirem na paisagem com os elementos botânicos.

O Parque é mantido diariamente por cerca de 10 pessoas, algumas das quais reclusos em regime aberto voltado ao exterior e recrutadas em associações de apoio à pessoa com deficiência.