A forte queda de granizo da manhã desta sexta-feira na região de Lisboa deveu-se a uma «estrutura supercelular», um tipo específico de tempestade formada ainda no Oceano Atlântico, disse à agência Lusa a meteorologista Madalena Rodrigues.

«Estamos sob efeito de uma depressão centrada a oeste da Península Ibérica, às quais estão associadas linhas com forte instabilidade», afirmou Madalena Rodrigues.

Segundo a meteorologista, o fenómeno da forte queda de granizo deveu-se a «uma estrutura supercelular, que se começou a organizar ainda no Atlântico e em deslocamento lento» chegou a Portugal Continental.

Essa «supercélula», um tipo de tempestade que inclui uma corrente de ar ascendente girando no interior da nuvem, chegou em primeiro lugar a Lisboa e Setúbal e depois à zona do Algarve.

«Esse movimento lento determinou o granizo observado. Esse granizo extensivamente produzido deveu-se aos fortes movimentos verticais associados a supercélulas, que não permitiram a formação de cristais de neve, mas potenciaram a formação do gelo», acrescentou.

A meteorologista precisou que se tratam de aguaceiros, que variam no espaço e no tempo, e por isso a situação de queda de granizo pode ser diferente.

Madalena Rodrigues indicou, ainda, que a «tendência é para diminuírem as condições de instabilidade».

«Ainda pode ocorrer um aguaceiro ou outro, pontualmente de granizo e acompanhado de trovoada, mas com uma tendência para diminuir ao longo da tarde de hoje», disse à Lusa.

As previsões indicam que estes aguaceiros podem continuar ainda no sábado nas regiões do Sul.

A forte queda de granizo, em Lisboa, fez multiplicar hoje os pedidos de ajuda aos bombeiros e dificultou a circulação do trânsito em hora de ponta, além de ter proporcionado um invulgar manto branco nas ruas.

Entre as 08:30 e as 08:50, o Regimento dos Sapadores Bombeiros recebeu 11 pedidos de ajuda devido a inundações e nas estradas da zona de Benfica também era visível o trabalho de funcionários camarários para libertar automóveis do manto de gelo que se formou.

Este cenário fora registado uma hora antes na Parede, concelho de Cascais.

Os bombeiros de Carnaxide, concelho de Oeiras, também tiveram trabalho suplementar durante a manhã devido a inundações. Também Albarraque, Queluz e Cacém, no concelho de Sintra, foram áreas afetadas pela queda de granizo, sem que se tenham verificado estragos, de acordo com fonte da proteção civil municipal.

Nas zonas mais baixas da capital, as pequenas inundações foram a nota dominante, com a PSP a indicar que a pior situação foi registada na confluência entre as avenidas Gago Coutinho e Estados Unidos da América, onde a água atingiu 50 centímetros de altura.

Veja as imagens da queda de granizo.

Também no Campo Grande e Alameda das Linhas de Torres houve dificuldades na circulação de trânsito e houve ainda registo de várias inundações em Chelas.

A forte chuva provocou alguns acidentes com motociclistas, nomeadamente no túnel da avenida João XXI, na avenida João XXI, junto ao Estádio de Alvalade, e outro junto à Escola Superior de Educação em Benfica, no sentido Benfica-Aeroporto.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) emitiu um alerta amarelo para o continente entre as 00:00 de hoje e as 20:00 de sábado, devido à previsão de precipitação, queda de neve, agitação marítima e vento forte.