A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) acionou o estado de alerta mais baixo para cinco distritos do Continente devido à previsão de chuva «pontualmente forte» durante este domingo.

Os distritos sob aviso neste domingo de Páscoa.

A informação é avançada num «aviso à população», no qual a ANPC determina que o Sistema Integrado de Operações de Socorro para o Dispositivo Integrado de Operações de Proteção e Socorro passa a estar no Estado de Alerta Especial Nível Azul para os distritos de Lisboa, Setúbal, Évora, Beja e Faro até às 23:59 de hoje.

O nível azul é o mais baixo de quatro níveis de alerta, que integra o amarelo, o laranja e o vermelho, por ordem crescente de gravidade.

Em comunicado, a Proteção Civil explica que acionou o alerta devido à previsão de ocorrência de períodos de chuva ou aguaceiros, por vezes fortes e persistentes, que poderão ser de granizo e acompanhados de trovoada.

Há ainda a possibilidade de ocorrência de fenómenos extremos de vento e precipitação.

Perante estas previsões, a ANPC adverte que podem ocorrer algumas situações, como o piso rodoviário ficar escorregadio, com eventual formação de lençóis de água, e haver cheias rápidas em meio urbano por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem.

Alerta ainda para a possibilidade de «inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis», de «inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem» e possibilidade de quedas de ramos ou árvores e danos em estruturas montadas ou suspensas

A Proteção Civil refere que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, através da «adoção de comportamentos adequados», como garantir «a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais» e «não atravessar zonas inundadas».

«Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas», circular com cuidado junto de áreas arborizadas, da orla costeira e de zonas ribeirinhas e não praticar atividades relacionadas com o mar são outras recomendações da ANPC.

A elevação do Estado de Alerta Especial pressupõe «um incremento da monitorização e a intensificação, por parte do dispositivo de resposta, de ações preparatórias para eventuais intervenções», adianta a Proteção Civil à Lusa.