Oito em cada dez portugueses consideram que a corrupção aumentou nos últimos dois anos e a maioria diz que «o Governo está nas mãos de um conjunto restrito de grupos económicos», segundo um estudo da associação Transparência e Integridade.

No estudo, a que a agência Lusa teve acesso, refere-se ainda que 70% dos portugueses encaram a corrupção como um problema sério ou muito sério no setor público.

Já no que toca ao combate à corrupção, 70% dos portugueses consideram-no ineficaz em Portugal, de acordo com o estudo, coordenado por Luís de Sousa, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e realizado por três investigadores de universidades de Lisboa e do movimento Transparência e Integridade.

Segundo este trabalho, 78% dos portugueses consideram que a corrupção piorou em Portugal nos últimos dois anos. Este é, segundo o documento, «o pior score [resultado] de toda a União Europeia», revelado pela «maior sondagem mundial sobre corrupção», levada a cabo pela Transparency International, representada em Portugal pela TIAC ¿ Transparência e Integridade, Associação Cívica.

O relatório indica ainda que 60% dos portugueses acham que os contactos pessoais são importantes para obter serviços ou acelerar procedimentos na administração pública.

Quanto à corrupção no setor público, apenas os gregos têm a mesma perceção do que os portugueses relativamente à importância deste crime nos organismos públicos. Imediatamente a seguir no que toca a esta perceção surgem os espanhóis, lituanos e romenos.

Mais de metade (53%) dos portugueses consideram que «o Governo está nas mãos de um conjunto restrito de grupos económicos» e «teme que as decisões políticas sejam tomadas sem independência, favorecendo esses mesmos grandes interesses económicos».

No que respeita à justiça, quarenta e dois por cento dos portugueses acham que a justiça portuguesa não protege de represálias quem denuncia a corrupção ou colabora com as autoridades.

De acordo com o estudo, 85% dos portugueses acreditam que o envolvimento dos cidadãos é fundamental no combate à corrupção.

Já no que toca ao pagamento de subornos a nível da Europa, 11% dos inquiridos admitem ter pago subornos em pelo menos um de oito tipos de serviços públicos nos últimos doze meses. Nesta questão, Portugal é o terceiro país da Europa em que os inquiridos menos admitem ter pago subornos para obter determinados bens ou serviços públicos.

O trabalho resultou de um inquérito de opinião realizado por telefone pela Marktest para a Gallup Internacional, comissionado pela Transparency International e efetuado entre 27 de agosto e 27 de setembro de 2012.

Foram realizadas 1.000 entrevistas num universo populacional de perto de oito milhões de pessoas.

O limite mínimo de idade para responder ao estudo era 18 anos e no que toca a regiões incidiu sobre a Grande Lisboa, o Grande Porto, o norte litoral, centro litoral, interior norte e sul.