O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros um dia de luto nacional pela morte do cardeal José Policarpo, que será cumprido na sexta-feira.

«O Governo declarou luto nacional no dia 14 de março como expressão de pesar pelo falecimento de Sua Excelência o Cardeal D. José Policarpo, Patriarca Emérito de Lisboa», refere o comunicado emitido no final da reunião do Conselho de Ministros.

José Policarpo: a sociedade portuguesa «aguenta tudo»

O cardeal José Policarpo morreu na quarta-feira, em Lisboa, aos 78 anos, na sequência de um problema cardíaco.

Era patriarca emérito de Lisboa, depois de ter sido patriarca entre 1998 e 2013.

Sé de Lisboa repleta de fiéis para receber urna

As cerimónias fúnebres do cardeal José Policarpo começaram pontualmente às 15:00 na Sé de Lisboa, que se encontrava repleta de fiéis.

A urna deu entrada ao som do cântico «Sede vós a fazer o seu julgamento», atravessou a nave central e encontrava-se pelas 15:20 frente ao altar-mor.

A cerimónia surpreendeu muitos turistas que visitavam esta zona da capital lisboeta e está a ser seguida por vários meios de comunicação social.

A entrada principal da Sé de Lisboa está engalanada com uma tapeçaria que ostenta as armas do cardeal José Policarpo.

Dentro do templo, encontra-se um livro onde quem quiser pode expressar condolências.

Pelas 15:25 estava a ser celebrada uma missa de exéquias presidida pelo cónego Manuel Lourenço, antigo deão do cabido da Sé,

Vários fiéis trazem pequenos ramos e, entre as coroas de flores, encontra-se uma da presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.

As exéquias, presididas pelo patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, vão ser celebradas na sexta-feira, às 16:00, na Sé de Lisboa.

O corpo segue depois para o Panteão dos Patriarcas, no mosteiro de São Vicente de Fora.