Um conjunto de painéis intitulado «Cenas de Baile», pintado em 1891 por Columbano Bordalo Pinheiro, vai ser apresentado a leilão a 25 de junho, em Lisboa, com um valor base de 500 mil euros, anunciou a leiloeira Veritas.

O Leilão de Antiguidades e Obras de Arte da Veritas Art Auctioneers vai decorrer a 24 e 25 de junho, às 21:00, e uma das peças em destaque é este conjunto de cinco painéis de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), pertença de um proprietário privado.

O conjunto foi pintado para o antigo Palácio do Conde Valenças, em Lisboa, que adquiriu o edifício em 1883 - hoje a funcionar como hotel - e decidiram transformá-lo com a participação de dois importantes artistas portugueses que deixaram ali a sua marca: Rafael Bordalo Pinheiro e Columbano Bordalo Pinheiro.

Rafael Bordalo Pinheiro desenhou azulejos e mobiliário e Columbano pintou o teto do salão deste palácio e um conjunto original de sete painéis em óleo sobre tela que representa cenas de baile com a evolução da dança ao longo de diferentes épocas.

Dois dos painéis, um deles assinado, de acordo com a leiloeira, encontram-se também numa coleção particular.

Os cinco que agora vão a leilão são compostos por um painel central com um grupo de nove figuras trajadas de baile, e quatro painéis mais pequenos com casais representando diferentes épocas, nomeadamente, a Belle Époque, o período Império, a época de Luís XV e de Luís XIV.

No sítio online da Veritas é referido que o conjunto de painéis é descrito pormenorizadamente no livro de Fialho de Almeida, «Os Gatos», em 1891.

«Columbano Bordallo acaba de mostrar a meia dúzia d¿intimos, no seu atelier no pateo Martel, trabalhos de decoração executados por encomenda do conde de Valenças, para a sala de baile do mesmo senhor. A pintura é a óleo, e consta de um teto que não podemos ver, e foi pintado in situ, e de sete panneaux de cerca de três metros d'alto e de largura diferente, que serão aplicados às molduras d¿estuque do salão de baile a que se destinam», escreveu o autor.

Descrevendo estes trabalhos de Columbano ao longo de várias páginas, Fialho de Almeida opina que se trata da obra «mais ampla do artista e a mais superiormente executada de quantas até¿gora lhe sahiram das mãos».

Ainda segundo a leiloeira, «não é possível precisar em que data terão sido retirados do palácio ou separados, sabendo-se apenas que à data de inauguração do hotel, em 1992, os painéis já não se encontravam instalados no referido salão».

Ainda sobre o percurso do conjunto de obras, é referido que em maio de 1998 a Leiria e Nascimento o levou ao Leilão de Pintura Moderna e Contemporânea, realizado no Pavilhão de Exposições da Tapada da Ajuda.

As dimensões das obras são de 250 centímetros por 251 centímetros (um dos painéis), dois com 250 por 105 centímetros e os outros dois de 250 por 90 centímetros.

A estimativa para venda em leilão pela Veritas ¿ com exposição a partir de quinta-feira - -vai de 500 mil a 800 mil euros, como notocia a Lusa.