O número de jovens em Portugal diminuiu cerca de meio milhão na última década, havendo municípios que perderam quase metade da sua população entre os 15 e 29 anos, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os indicadores do INE que traçam o perfil dos jovens em Portugal demonstram que em 302 dos 308 municípios houve uma diminuição de jovens, entre 2001 e 2011.

Apenas seis municípios registaram um aumento: Santa Cruz, na Região Autónoma da Madeira, com um crescimento de 13,9%, Montijo, Albufeira, Mafra, Ribeira Grande e Lagos (aumentos entre os 6,5% e os 2,4%).

Em algumas regiões, em especial no interior e no sul do país, o número de jovens desceu quase para metade (menos 46%).

Em março de 2011, data do último recenseamento, residiam em Portugal 1.803.391 jovens com idades entre os 15 e os 29 anos, menos 21,4% do valor registado uma década antes.

O INE sublinha que esta diminuição é «um dos indicadores do fenómeno do envelhecimento que atinge a população portuguesa e reflete a redução continuada do número de nascimentos verificada em Portugal».

O instituto associa também este fenómeno ao aumento da emigração, lembrando que em 2012 saíram do país cerca de 26 mil jovens, que se transformaram em emigrantes permanentes, e outros 27 mil jovens emigrantes temporários.

Hoje têm mais qualificações (em 2001 apenas 8,3% dos jovens tinha um curso superior enquanto em 2001 já eram 14,9%), mas ainda existem muitas situações de abandono precoce de educação e formação: 18,9% dos jovens deixou a escola em 2013.

Apesar do aumento de qualificações, a situação económica dificulta a inserção dos jovens no mercado de trabalho, uma vez que a taxa de desemprego jovem (26,3%) é quase o dobro da taxa de desemprego total.

Entre 2011 e 2013, em média cerca de 55% dos jovens dos 15 aos 29 anos estavam no mercado de trabalho: 40,6% empregados e 14,4% desempregados.

Além de serem afetados pelo desemprego, estes jovens têm rendimentos do trabalho inferiores à média nacional.

Para o INE, estas dificuldades têm condicionado e adiado a decisão dos jovens em constituir família e sair de casa dos pais.

«Em 2011, 68,3% dos jovens residia com pelo menos um dos pais e 21,5% tinha constituído a sua própria família enquanto casal», revela o INE.

Na caraterização dos jovens portugueses, o instituto lembra ainda que cerca de 98% dos jovens utilizam computador e internet e 80,6% conhece pelo menos uma língua estrangeira.