O primeiro luso-descendente a assumir o cargo de ministro no Luxemburgo, Felix Braz, disse, esta quarta-feira, que há «muito exemplos» de integração na comunidade portuguesa, no final da tomada de posse do novo governo liderado por Xavier Bettel.

«Nunca é fácil tentar integrar-se noutro país, e as pessoas que vão para outro país para melhorar as suas vidas são verdadeiros heróis. A integração não se mede só em termos de cargos políticos. Há muitos portugueses, e eu conheço muitos, que têm conseguido coisas valiosas aqui no Luxemburgo», disse à Lusa Felix Braz.

O luso-descendente do partido Os Verdes tomou hoje posse como ministro da Justiça no novo Governo de coligação formado pelo Partido Liberal, socialistas e ecologistas.

Admitindo que o facto de ser o primeiro ministro de origem portuguesa no Grão-Ducado «é um motivo de orgulho», Felix Braz espera «não ser o único», uma frase que repete com frequência desde que se tornou no primeiro luso-descendente eleito para cargos políticos no país, em 1994.

O ecologista de 47 anos, filho de imigrantes portugueses que chegaram ao Luxemburgo nos anos 1960, foi também o primeiro vereador e o primeiro deputado - e até hoje o único - de origem portuguesa no país.

Felix Braz nasceu em Differdange, no sul do Luxemburgo, a 16 de Março de 1966, filho de imigrantes portugueses de Castro Marim, no Algarve. Obteve a nacionalidade luxemburguesa em 1984, com 18 anos.

O agora ministro da Justiça frequentou Direito na Sorbonne, em Paris, um curso que não chegou a concluir: convidaram-no para fazer o primeiro programa de rádio em português na RTL, entre 1990 e 1991, e mais tarde propuseram-lhe ser secretário do grupo parlamentar dos Verdes, cargo que ocupou até 2000. Em 1994 foi eleito pela primeira vez para a autarquia de Esch-sur-Alzette, tendo assumido o cargo de vereador em 1999.

Em 2004, tornou-se o primeiro deputado luso-descendente no Luxemburgo. Casado e pai de dois filhos, Felix Braz obteve em 2006 a Medalha de Comendador da Ordem de Mérito, atribuída pelo Presidente da República Cavaco Silva.