A Câmara de Lisboa apelou aos habitantes no concelho para que «evitem a deposição na rua» dos resíduos domésticos, já que a greve dos trabalhadores da Valorsul, que se prolonga até quinta-feira, «poderá afetar a recolha de lixo».

Num comunicado publicado na sua página na Internet, a autarquia admite que a greve dos trabalhadores da Valorsul, que teve início hoje às 00:00 e se prolonga por quatro dias, «poderá afetar o normal funcionamento do sistema de limpeza e recolha de lixo na capital», escreve a Lusa.

Por isso, a Câmara «recomenda a todos os moradores que separem e acondicionem devidamente os seus resíduos domésticos e evitem, no período em causa, a sua deposição na rua».

Por outro lado, a autarquia assegura que os serviços de higiene e limpeza do município «vão desenvolver todos os esforços com vista a minimizar as eventuais consequências» da greve e, a partir de sexta-feira, «proceder à rápida normalização do sistema de remoção de lixo e atividades complementares».

A greve ocorre contra a privatização de 100% da participação do Estado na Empresa Geral de Fomento, uma 'sub-holding' do grupo Águas de Portugal para o setor dos resíduos, aprovada no final de janeiro pelo Conselho de Ministros.

A EGF é responsável pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos, através de 11 empresas concessionárias, da qual faz parte a Valorsul, situada no concelho de Loures e que serve 19 municípios da Área Metropolitana de Lisboa e da zona Oeste.