Milhares de peregrinos despediram-se esta terça-feira das celebrações no santuário de Fátima, declarando-se com fé num país melhor, mas também com preocupações na bagagem no regresso a casa.

«Levo daqui a fé num país melhor, têm sido anos muito maus», disse à agência Lusa Maria de Fátima Oliveira, oriunda de Guimarães, que cumpriu pela segunda vez uma peregrinação a pé até à Cova de Iria.

Confrontada com o apelo feito segunda-feira pelo bispo de Leiria/Fátima, António Marto, para que as pessoas não se abstenham nas próximas eleições, a peregrina garante que votou «sempre» mas percebe aqueles que «deixaram de acreditar» nos políticos.

«Eles dizem que fazem uma coisa e depois apanham-se lá e fazem outra», acusou.

Outro peregrino, de Celeirós, Braga, sustentou que cumpre a deslocação a Fátima para pedir a Nossa Senhora «o mínimo para que as coisas funcionem», enquanto Maria Luísa, da Póvoa do Varzim, não esquece as preocupações diárias, depois de ter percorrido 280 quilómetros, a pé, até ao santuário.

«Pedimos que nos ajude a ultrapassar as preocupações, mas não conseguimos deixar cá tudo. Levamos sempre algumas de volta», alegou.

Já Bernardino Nogueira, de Cabeceiras de Basto, deslocou-se com a mulher e diz levar de Fátima «mais força» para enfrentar as adversidades, enquanto Idalina Barros, da Maia, cumpriu a peregrinação pela 10ª vez, ao longo de seis dias, integrada num grupo de 42 pessoas, e assinala que é «cada vez mais complicado», por estes dias, ficar em casa «do que vir».

«Quando chegamos tudo passa, é uma experiência única, só percebe quem a faz», frisou.

De Évora «pela primeira vez» a caminho de Fátima, Ana Pinto resume a experiência «única» de percorrer a pé cerca de 170 quilómetros até à Cova da Iria.

«Em Almeirim [sensivelmente a meio caminho] pensei que desistia, mas não me deixaram. Chegar aqui foi uma libertação, foi paz», sublinha.

Segundo dados do santuário, até às 11:00 inscreveram-se para a bênção dos doentes, na missa, 326 pessoas.

No posto de socorros foram atendidos 479 peregrinos, enquanto ao lava-pés recorreram 951 fiéis, tendo trabalhado como voluntários no apoio aos peregrinos no recinto um total de 206 pessoas.

As cerimónias da peregrinação internacional terminaram hoje com a Procissão do Adeus, em que a imagem de Nossa Senhora de Fátima foi saudada pelos peregrinos com milhares de lenços brancos no percurso do altar até à Capelinha das Aparições, como reporta a Lusa.