O Infarmed chamou as empresas responsáveis por dois medicamentos em falta nas farmácias, o distribuidor e o titular, para explicarem por que motivo os remédios em causa estavam no armazém e não estavam a ser distribuídos, revelou esta quarta-feira o presidente daquele organismo.

Na terça-feira, o Infarmed inspecionou o armazém de uma empresa responsável por dois medicamentos em falta nas farmácias há duas semanas e verificou que existiam embalagens para suprir as necessidades dos utentes.

Segundo Eurico Castro Alves, o Infarmed recebeu várias reclamações de utentes e farmacêuticos queixando-se da indisponibilidade de dois medicamentos: o Varfine (com propriedades anticoagulantes e essencialmente utilizado na prevenção do tromboembolismo e tromboses) e o Artane (um adjuvante no tratamento de todas as formas de parkinsonismo).

O Infarmed contactou a empresa responsável pela distribuição daqueles medicamentos no mercado nacional, tendo sido informado que a situação estaria resolvida na passada segunda-feira.

No entanto, «como não aconteceu no dia em que disseram que os medicamentos estariam nas farmácias, continuámos a investigação e acionámos um processo de contra-ordenação por incumprimento legal», disse, à margem de um encontro promovido pelo Infarmed.

O presidente do instituto anunciou ainda ter chamado com caráter de urgência a empresa distribuidora e a empresa titular de autorização de introdução no mercado destes dois medicamentos, para explicarem o motivo por que os medicamentos não estavam a ser distribuídos às farmácias, quando existiam em armazém e havia pedidos.