O presépio em movimento de S. Paio de Oleiros, na Feira, foi neste domingo reconhecido pelo Guiness como o maior do mundo, superando com 162 peças à mesma escala o recorde anteriormente detido pelas 40 de idêntica composição no México.

Tendo recebido cerca de 500.000 visitantes em 2012, o presépio português é constituído por cerca de 7.500 peças, mas, na avaliação daquela que é apontada como a autoridade mundial no registo de recordes, foram apenas considerados os elementos com uma altura média de 20 centímetros e estritamente relacionados com a história do nascimento de Cristo.

De fora ficaram assim componentes kitsch como comboios, ciclistas e réplicas de Amália, mas o britânico Pravin Patel, júri do Guiness, confessou-se ainda assim «absolutamente fascinado por todas as peças do presépio», graças ao «prazer que foi caminhar pelas suas salas ontem e hoje».

A área sujeita a apreciação foi «a gruta maior», onde entraram para a contabilidade oficial apenas as peças que cumpriam os seguintes requisitos: «Serem relacionadas com o nascimento de Jesus; moverem braços, corpo ou pernas; e não estarem duplicadas».

Pravin Patel garante que «todas essas linhas orientadores foram cumpridas», pelo que Manuel Jacinto Azevedo, dinamizador do projeto hoje distinguido em S. Paio de Oleiros, «é o detentor do novo recorde mundial para o maior número de peças mecânicas num presépio».

Defendendo que o título do Guiness vem «acabar com as dúvidas que muita gente tinha» em relação a essa obra, o novo recordista declarou que o certificado deve ser «partilhado com toda a gente que ajudou» a concretizar o projeto.

«Não é só o dinheiro que faz isto, como algumas pessoas pensam», afirmou Manuel Jacinto Azevedo. "É preciso apaixonarmo-nos por este trabalho e foi isso que aconteceu com todas as pessoas que têm vindo a colaborar com o presépio, com tanto sacrifício das suas horas livres e das suas famílias".

A 9.ª edição do chamado «Presépio da Cavalinho» continua a ter entrada gratuita e pode ser visitada diariamente até 7 de março, entre as 09:00 e as 24:00.

A iniciativa deve-se ao «gosto pessoal» de Manuel Jacinto Azevedo, fundador da marca de carteiras, calçado e marroquinaria cujo logótipo dá nome ao projeto.

Na montagem da estrutura estão envolvidos mais de 30 voluntários, na sua maioria funcionários da empresa que reservam para o efeito as suas horas vagas e fins de semana.

Tendo vindo a crescer de dimensão ao longo dos anos, o presépio ocupa atualmente cerca de 3.500 metros quadrados, nos quais se incluem, por exemplo, cerca de 55 quilómetros de cabo elétrico, 5.000 lâmpadas LED, 10 quedas de água, 100 sensores de movimento e «umas quantas toneladas de barro, areia, saibro e terra» para efeitos decorativos realistas.

Uma parte da estrutura apresenta-se em formato de cascata sanjoanina, na envolvente imediata da fábrica, e a restante está instalada no lado oposto da rua, num pavilhão coberto que integra diferentes galerias temáticas ao longo de um percurso orientado.