Um problema informático na plataforma do Ministério da Educação não está a permitir que milhares de professores sem vínculo consigam submeter a sua candidatura à bolsa de contratação de escola.

O concurso deveria terminar já esta quinta-feira, mas o ministério de Nuno Crato já reconheceu as dificuldades e decidiu prolongar o prazo por mais 24 horas, terminando agora às 18h00 da próxima sexta-feira.

Durante o dia, foram muitos os professores que se tentaram inscrever sem sucesso.

A Federação Nacional da Educação obteve do Ministério da Educação a garantia de que será prolongado por 24 horas o prazo para os professores submeterem as candidaturas à contratação de escola, disse esta quarta-feira à Lusa o secretário-geral.

«Alertámos o Ministério da Educação para os problemas que estão a ser identificados pelos professores e considerámos que o prazo que existia era curto», afirmou o secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE), João Dias da Silva.

O responsável da FNE justificou ainda que era «razoavelmente difícil» fazer o preenchimento de todos os subcritérios ligados a cada uma das escolas, defendendo que fazia sentido haver um prolongamento do prazo.

«O Ministério da Educação acabou de nos comunicar que vai alargar o prazo até às 18:00 de sexta-feira. Estaremos a fazer o acompanhamento da situação para saber se todos os candidatos conseguem manifestar a sua candidatura, se houver ainda problemas voltaremos a contactar o Ministério da Educação», declarou Dias da Silva.

Outras organizações representativas de professores denunciaram hoje problemas na plataforma que os docentes têm de usar para se candidatarem à chamada Bolsa de Contratação de Escola (BCE).

O prazo inicialmente estabelecido era entre os dias 2 e 4 de setembro.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) emitiu hoje um comunicado dando conta de «inúmeras dificuldades» sentidas pelos candidatos no envio dos dados necessários, devido a «sucessivos bloqueamentos» na plataforma informática.

A Fenprof exigiu, por isso, que o prazo fosse prorrogado até sexta-feira.

Também a Associação Nacional dos Professores Contratados requereu à Direção Geral da Administração Escolar que o prazo fosse prorrogado, na sequência de «sucessivos erros da plataforma», verificados desde terça-feira, acrescenta a Lusa.