A 84.ª Feira do Livro de Lisboa é inaugurada esta quinta-feira, às 17:00, no Parque Eduardo VII, numa cerimónia com o presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, o presidente da Câmara e o titular da Cultura.

O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e o presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), João Alvim, marcam encontro na praça amarela da Feira, num dos topos do parque e, depois da assinatura do Livro de Honra do certame e dos tradicionais discursos, segue-se a visita pelos pavilhões.

Este ano, a Feira conta com 250 pavilhões com novo design, de 537 editoras e chancelas, mais 80 do que no ano passado.

Nesta 84.ª edição, são esperados mais de 500 mil visitantes e muitos autores e ilustradores, entre os quais Jeff Kinney, autor de «O Diário de um Banana», que foi nomeado pela revista Time como uma das pessoas mais influentes em todo o mundo.

O Grupo LeYa está presente com 42 pavilhões, que formam 14 unidades organizadas numa praça própria e, pela primeira vez, fará entrega do Prémio LeYa, no valor de 100.000 euros, na Feira.

Outro grupo, Porto Editora, fará «uma homenagem aos seus autores, com destaque para Fernando Pessoa e José Saramago», cujos livros vão estar reunidos num pavilhão exclusivo.

Estão previstas 900 iniciativas, entre as quais um «Picnic Literário», que «tem como objetivo reunir o maior número de amantes dos livros, em várias tertúlias temáticas», designadamente policial, fantástica, erótica, portuguesa, romântica, cinéfila ou «do tudo e do nada», como afirma a APEL em comunicado.

Este ano, também pela primeira vez, a Estufa Fria abre portas para algumas atividades com crianças e jovens.

Outra novidade desta edição é a iniciativa «Dar e Receber», uma campanha conjunta entre a APEL e o Banco dos Bens Doados, que tem como principal objetivo promover os hábitos de leitura junto de crianças e jovens. Os visitantes da feira podem depositar, em dois contentores assinalados, livros infanto-juvenis que serão posteriormente doados a instituições de crianças e jovens até aos 12 anos.

A Feira encerra no dia 15 de junho e «uma grande aposta» é o setor da restauração, que totaliza 30 espaços.