O excesso de sal mata mais de 1,6 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, disse um responsável de uma universidade médica, alertando que, em média, é consumido quase o dobro do recomendado pela OMS.

«Há evidências de que o consumo de altos nível de cloreto de sódio aumentou a pressão arterial, o que é um grande risco para as doenças cardiovasculares e um acidente vascular cerebral», disse o presidente do Departamento de Ciências Nutricionais da Universidade de Tufts e principal autor do estudo, Dariush Mozaffarian.

De acordo com o estudo, publicado no New England Journal of Medicine e citado pela Lusa, «os efeitos do excesso de sal sobre as doenças cardiovasculares em todo o mundo, por idade, sexo e país não tinham sido estabelecidos até agora».

O consumo diário de sal em todo o mundo foi, em média, de 3,95 gramas por pessoa, quase o dobro dos 2 gramas recomendados pela Organização Mundial de Saúde.