O catedrático Duarte Nuno Vieira, ex-presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal, cargo do qual foi afastado pela ministra da Justiça, foi distinguido com o prémio mundial Douglas Lucas Medal 2014, anunciou esta quinta-feira a Universidade de Coimbra (UC).

Tratando-se da «mais alta distinção» no domínio das ciências forenses, o prémio vai ser entregue a Duarte Nuno Vieira durante o «20th World Meeting of the International Association of Forensic Sciences», que decorrerá em Seul, na Coreia do Sul, em outubro, segundo uma nota da Reitoria da UC.

Criado em 1999 pela Academia Americana de Ciências Forenses, o Prémio Douglas Lucas Medal é atribuído, de três em três anos, «a um especialista forense que se tenha destacado particularmente pela contribuição dada para o desenvolvimento das ciências forenses a nível internacional».

Na sua decisão, aprovada por unanimidade, o júri realçou «o valioso trabalho desenvolvido pelo galardoado em diversos domínios das ciências forenses - e muito particularmente no âmbito da patologia e clínica forense - especialmente na defesa dos direitos humanos, bem como na organização de serviços médico-legais e forenses em vários países do mundo, e o forte impacto que o trabalho que concretizou até hoje teve na comunidade forense internacional».

Citado na nota, Duarte Nuno Vieira, professor da Faculdade de Medicina de Coimbra, recebeu com «enorme surpresa e profunda emoção» a notícia da sua distinção.

Entre os galardoados com o Prémio Douglas Lucas Medal, contam-se o britânico Alec Jeffreys (que descobriu a utilização do ADN para fins forenses), o norte-americano Clyde Snow (criador da antropologia forense e da sua aplicação aos direitos humanos) e o suíço Pierre Margot (considerado a maior autoridade mundial no domínio da criminologia).