Jovens a favor das praxes académicas vão promover um encontro a 22 de fevereiro, em Lisboa, no qual se vai também homenagear os seis jovens universitários que morreram há dois meses.

Veja as imagens da PJ a fazer a reconstituição na Praia do Meco. TVI fará novas revelações sobre este caso no Jornal das 8 desta sexta-feira.

A iniciativa a favor das praxes, marcada pelo «Movimento a Favor da Tradição Académica», será essencialmente um encontro entre estudantes universitários e todos aqueles que apoiam e defendem a praxe académica.

A praxe académica «não pode ser o alvo de culpa pela má conduta que alguns possam ter e é isso que temos de travar e demonstrar o que realmente a praxe representa», dizem os promotores da iniciativa, justificando: «o que nos leva a este encontro é fazer ouvir a nossa voz».

A praxe, dizem, é um conjunto de usos e costumes que regem a vivência das tradições académicas, com regras, e uma «tradição e cultura universitária merecedora de respeito».

A praxe académica «não tem como objetivo fazer mal ou gozar com o caloiro ou recém-chegado à Universidade», mas sim ajuda-lo «a integrar-se no ambiente universitário, a criar amizades e a desenvolver laços de sólida camaradagem», acrescentam.

Há dois meses seis jovens universitários que faziam parte da comissão de praxes (da Universidade Lusófona) morreram na zona da praia do Meco, a sul de Lisboa.

Desde aí, e enquanto ainda estão por esclarecer as circunstâncias das mortes, têm sido discutidas as práticas das praxes havendo mesmo os que defendem o seu fim.

A Universidade Lusófona organiza hoje uma missa em memória dos seis jovens, acrescenta a Lusa.