Os professores que na construção do texto da Prova de Avaliação tenham mais de dez erros de ortografia, de pontuação ou de morfologia serão classificados com zero valores nesse item, segundo o Guia da Prova divulgado na noite de quinta-feira, pelo Ministério da Educação.

A componente comum da Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC) será composta por 32 itens de seleção (escolha múltipla) e um «item de construção», no qual é pedido aos docentes que escrevam um texto segundo o Acordo Ortográfico atualmente em vigor com um número de palavras compreendido entre 250 e 350.

As perguntas de escolha múltipla vão valer 80% da prova, enquanto o «item de construção» corresponderá a 20% do total, segundo informação disponibilizada no site do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), em http://www.pacc.gave.min-edu.pt/np4/home.html.

«São classificadas com zero pontos as respostas que não atinjam o nível de desempenho mais baixo ou quando se verifique uma das seguintes condições: afastamento integral do tema; mais de seis erros de sintaxe; mais de dez erros inequívocos de pontuação; mais de dez erros de ortografia ou de morfologia», lê-se no Guia da Prova.

Os erros de acentuação e de translineação, assim como o uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial também são considerados erros de ortografia.

Os avaliadores também terão em consideração critérios como o respeito pela instrução relativa ao tema, a adequação da estrutura à tipologia requerida pela instrução (exposição introdutória, desenvolvimento argumentativo e conclusão) e a clareza e coerência na apresentação das ideias e dos argumentos relevantes.

Já no caso dos itens de escolha múltipla, «só são consideradas as respostas que registem de forma inequívoca a única opção correta».

As respostas serão dadas em folha de respostas própria, só podendo ser usado caneta ou esferográfica de tinta indelével preta.

O documento divulgado pouco antes da meia-noite apresenta alguns exemplos ilustrativos dos itens da componente comum da prova, que terá a duração de 120 minutos.

O IAVE lembra que a componente comum da prova «tem por objetivo avaliar o desempenho dos candidatos ao exercício de funções docentes no que respeita a conhecimentos e capacidades considerados essenciais para a docência nos diferentes níveis de ensino, nomeadamente no que respeita à leitura e interpretação de textos de diversas tipologias, à mobilização do raciocínio lógico e do pensamento crítico orientado para a resolução de problemas em contextos não disciplinares e ao domínio da expressão escrita».

A prova destinada aos docentes sem vínculo à função pública está marcada para o dia 18 de dezembro.