Os responsáveis do Circo Victor Hugo Cardinali garantiram esta quarta-feira que os leões apreendidos na véspera pela GNR, em Lisboa, «estão efetivamente registados» ao abrigo da convenção sobre comércio internacional de animais selvagens.

«O Circo Victor Hugo Cardinali vem por este meio informar que, os seus leões estão efetivamente registados na CITES [Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção], no entanto, o registo foi efetuado em Espanha», consta num comunicado publicado na página do circo no Facebook.

A GNR apreendeu na terça-feira à tarde nove leões do circo Victor Hugo Cardinali, que está instalado no Parque das Nações, em Lisboa, por estes não terem registo ao abrigo da convenção CITES, disse à Lusa o responsável do Núcleo de Proteção Ambiental do Comando Territorial de Lisboa da GNR, capitão Alves.

O circo referiu hoje que, «como é do conhecimento comum, caso os animais não tivessem qualquer registo, não poderiam sequer ter entrado em território Europeu».

Os leões, que foram apreendidos no âmbito de uma ação de fiscalização feita em conjunto com o Instituto de Conservação da Natureza e das Floresta (ICNF), «ficaram confiados ao dono do circo, que é fiel depositário dos mesmos», adiantou a GNR, referindo que este «não poderá utilizar os animais [nos espetáculos] enquanto decorre o processo no ICNF».

Os espetáculos do circo Victor Hugo Cardinali no Parque das Nações começaram na sexta-feira e prolongam-se até 05 de janeiro.