Brincadeiras em espaços exteriores desenvolvem «as crianças mais felizes, criativas e saudáveis» e permite-lhes «ganhar competências para a vida adulta», defendeu esta quinta-feira a Associação Nacional de Intervenção Precoce (ANIP).

Citada pela Lusa, Gabriela Bento, psicóloga da ANIP, diz que «as crianças brincam cada vez menos em espaços verdes e ao ar livre, passando cada vez mais tempo em atividades estruturadas com horários, tais como o ballet, música e inglês». A mesma psicóloga refere que «é necessário inverter esta tendência atual porque o que o espaço exterior oferece é muito mais benéfico».

A psicóloga da organização nacional que gere uma creche e jardim-de-infância num espaço anexo à maternidade Bissaya Barreto revelou que a ANIP tem vindo a desenvolver pedagogias muito viradas para o brincar em espaços exteriores. A Associação considera que traz potencialidades muito importantes para o desenvolvimento da aprendizagem da criança.

Por outro lado, a questão da saúde também é importante. Baseando-se em dados estatísticos, Gabriela Bento diz que «há doenças que estão a crescer, tais como a obesidade e a hipertensão nos mais jovens» e que estão relacionadas com a falta de convívio no exterior.

Na sexta-feira e no sábado, o auditório do Hospital Pediátrico de Coimbra acolhe o seminário «Espaços para a Infância - aprendizagens, desafios e potencialidades do exterior», promovido pela ANIP.