O presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera defende que os frequentadores das praias devem adaptar-se às características do mar, que podem ter mudado depois das tempestades do último inverno, e ter cuidados redobrados.

«É preciso que o comportamento das pessoas relativamente ao mar integre esta dinâmica,[e] se tivermos outros invernos agitados, têm de começar a perceber que, no verão, todas as praias são diferentes do que eram antes», disse Jorge Miranda à agência Lusa.

O responsável alertou que «há uma diferença entre mar calmo e mar seguro» e falou sobre fenómenos de mistura de águas que não são visíveis, chamados agueiros, no entanto, «são muito perigosos».

Por isso, é preciso «seguir as regras das autoridades que estão nas praias, e provavelmente tem de arranjar-se uma forma qualquer de aumentar o período da existência de nadadores salvadores», acrescentou.

Para Jorge Miranda, «as pessoas têm de habituar-se a cumprir as normas, gerir a incerteza e ser capaz de viver numa situação de risco».

Como em muitos fenómenos naturais, «a capacidade de previsão pode melhorar o nosso comportamento, a engenharia pode mitigar os efeitos, mas vai estar na responsabilidade de cada um ser capaz de viver com eles», disse o especialista em geofísica.

As ações de regularização «são importantes, mas mais importantes são as ações de preparação, é perceber que os apoios de praia têm de estar preparados para invernos rigorosos, que as praias, às vezes, podem ser maiores [outras vezes] mais pequenas», insistiu o presidente do IPMA.

Aliás, «muitas vezes existe a ideia de que a praia não é particularmente perigosa, contudo morrem pessoas, morre muita gente, portanto há aqui comportamentos que têm de ser alterados, a ideia de que uma pessoa que nade mediamente se pode afastar da costa e isso não tem problema porque é sempre capaz de voltar, não é verdade», alertou.

Depois das tempestades do último inverno, que destruíram várias estruturas na costa, nomeadamente na Costa da Caparica, perto de Lisboa, foram reportadas mudanças de circulação costeira «aparentemente induzidas por mudanças da morfologia».

A situação no inverno deveu-se à deslocação de uma massa de ar pólar para cima dos EUA, o que resultou num frio acentuado no norte da américa e fez tempestades sucessivas que vieram da costa americana até à costa europeia, atingindo o norte e centro do país.

«As ondas eram muito grandes e, nestes casos, pode dar-se o transporte sedimentar, o fundo do mar altera-se e a areia é transportada de um lado para outro», por vezes, no próprio fundo da praia existem alterações do relevo da parte imersa e os fenómenos de rebentação, como todos os fenómenos relacionados com a dinâmica das ondas perto da praia, são alterados, explicou Jorge Miranda.

Quanto ao futuro, «do ponto de vista do clima e da meteorologia, não temos capacidade de saber qual a probabilidade desta situação se vir a repetir», reconheceu o presidente do IPMA.