O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou este sábado, em Viana do Castelo, que a sociedade Polis Litoral Norte vai ter, em 2016, cinco milhões de euros para investir na costa entre Esposende e Caminha.

"Serão cinco milhões de euros para a área do Polis Litoral Norte, que abrange Caminha, Viana do Castelo e Esposende. Trata-se de um montante para investir em intervenções um bocadinho diferentes das até agora realizadas. Serão intervenções mais de recarga de praias, reforço dunar. Estamos a pensar poder aprovar esse investimento durante o mês de fevereiro, ou março, no âmbito de um aviso do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR)."


O ministro do Ambiente, que falava à margem da inauguração das obras de requalificação da frente ribeirinha do núcleo do Cabedelo, em Viana do Castelo, orçadas em mais de um milhão de euros, afirmou que, no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio "vai ser muito mais difícil, para não dizer que não vai ser possível, financiar intervenções de arranjo urbanístico".

"Portugal tem que cumprir um conjunto de medidas de adaptação em função das consequências das alterações climáticas e as intervenções que aí vêm são intervenções mais pensadas na manutenção e na estabilidade da linha de costa."


Entre as intervenções previstas para 2016, está a empreitada de requalificação da Praia Norte, orçada em 2,6 milhões de euros e que deveria ter arrancado este ano.

Questionado pela agência Lusa sobre a continuidade da sociedade Polis Litoral Norte, criada em 2009 e com uma área de intervenção de 50 quilómetros de faixa costeira, João Pedro Matos Fernandes afirmou que decisão será tomada "em breve".

"A decisão definitiva da continuação da Polis Litoral Norte está para muito breve mas o ministério do Ambiente vê com muito bons olhos formas de organização que promovam a integração das diversas entidades com poder, e competência no litoral. É muito positivo e importante", defendeu.

Segundo aquela sociedade, a intervenção no Cabedelo "contemplou ações de qualificação, defesa e delimitação da zona natural em risco, mediante o reperfilamento da frente pedonal de mar e de rio e a correção da erosão de superfície".

Incluiu ainda "a criação de novos acessos pedonais à praia fluvial, a melhoria das áreas para estacionamento automóvel e das zonas de lazer".

Orçada em 1,05 milhões de euros, a obra foi financiada em 85% pelo Programa Operacional Regional do Norte(ON2), e em 15% pela Câmara local.

A obra criou também, "novos espaços naturais, acessos ao mar e um equipamento (este com a construção fora do âmbito da Polis Litoral Norte), dedicados à prática e fomento das modalidades de windsurf e kitesurf, a criação de um troço da ecovia do Litoral Norte, e de um posto para alimentação elétrica, abastecimento de água e evacuação de resíduos, para autocaravanas".

O ministro do Ambiente deslocou-se ainda ao concelho vizinho de Caminha para visitar as obras na praia da Gelfa, orçada em 300 mil euros e o reforço e proteção dos sistemas dunares e renaturalização de áreas naturais degradadas na foz do rio Âncora, que custou 430 mil euros.

Ambos os investimentos contaram com 85% de comparticipação do ON2, tendo a câmara local participado com os restantes 15%.