A Inspeção Geral da Administração Interna vai investigar os factos que levaram, esta quarta-feira de madrugada, à morte de uma mulher durante uma perseguição da PSP

"A Inspeção Geral da Administração Interna determinou a abertura de um inquérito para apuramento dos factos relacionados com a ocorrência que teve lugar na madrugada de hoje, da qual resultou a morte de uma cidadã na sequência de uma intervenção policial", pode ler-se no comunicado enviado às redações.

Por sua vez, a PSP também instaurou um processo de averiguações para esclarecer as circunstâncias da morte da mulher d.

Uma mulher morreu esta quarta-feira, durante uma perseguição policial em Lisboa. Segundo o que a TVI apurou, a vítima não estava relacionada com o gangue de assaltantes que a PSP perseguia.

Tudo começou de madrugada, por volta das 3:00, num assalto com recurso a explosão a uma caixa multibanco no Pragal, em Almada.

O assalto foi realizado por um gangue há muito tempo referenciado pelas autoridades e que está altamente armado.

Os assaltantes, que terão conseguido levar o dinheiro da caixa, seguiram em direção a Lisboa, atiraram objetos contra a viatura da PSP que os perseguia em plena ponte 25 de Abril e dispararam contra agentes da polícia na Rotunda do Relógio.

Segundo o mesmo comunicado da PSP, os suspeitos circularam "em diversas vias a alta velocidade e em contramão, colocando em perigo todas as pessoas que ali se encontravam".

"Já nas imediações do Aeroporto Humberto Delgado, foram efetuados por parte dos suspeitos diversos disparos com arma de fogo contra os agentes da PSP que os perseguiam, ao que estes ripostaram, igualmente recorrendo a arma de fogo."

Foi nessa altura que a PSP perdeu o gangue de vista e montou uma operação na Segunda Circular para tentar travá-lo.

No bairro da Encarnação, quando uma viatura semelhante à do gangue se aproximou, de luzes apagadas, os polícias mandaram-na parar, mas os ocupantes não acataram a ordem.

De acordo com o comunicado da PSP, durante a fuga, o condutor da viatura "tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo".

"Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido intercetada pouco tempo depois."

Foi então que os agentes deram conta que a mulher que seguia no lugar do "pendura" estava ferida, com uma bala no pescoço. Os meios de emergência ainda a socorreram, mas não havia nada a fazer.

Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica confirmou a morte de uma mulher, baleada, e adiantou que o óbito foi declarado no local, próximo das bombas de combustível da Encarnação.

O alerta foi recebido às 03:45 pelo INEM, que acionou a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de São José e uma ambulância.

O homem que conduzia a viatura foi detido por condução sem habilitação legal, por desobediência ao sinal de paragem e por condução perigosa.

O gangue de assaltantes continua em fuga.

O caso foi entregue à Polícia Judiciária.