A Associação Moinho da Juventude candidatou a festa tradicional Kola San Jon, do bairro da Cova da Moura, na Amadora, ao Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, disse à Lusa a coordenadora da associação.

A festa de Kola San Jon consiste num desfile que se realiza no bairro da Cova da Moura, no fim de semana mais próximo do dia de São João, 24 de junho, e tem como elemento central um cortejo que envolve música instrumental (tambores e apitos), canto e dança.

De acordo com a coordenadora da associação, Lieve Meersschaert, a candidatura ao inventário Nacional do Património Cultural Imaterial tem como objetivo o reconhecimento da cultura que a maioria dos moradores deste bairro trouxe de Cabo Verde.

«Cada um fazia a festa à sua maneira e conseguimos chegar a um consenso de como festejar o Kola San Jon, depois de envolver toda a comunidade do bairro», disse Lieve Meersschaert à agência Lusa.

A candidatura do Moinho da Juventude foi apresentada a 29 de abril, teve o apoio das Universidades de Lisboa e Aveiro e, de acordo com a coordenadora, o processo de consulta pública termina a 20 de agosto.

Lieve Meersschaert disse que outro dos objetivos passa por abrir as portas do bairro da Cova da Moura a visitantes, acrescentando que este reconhecimento pode trazer "mais argumentos para lutar pela requalificação do bairro".

O Alto da Cova da Moura começou a ser ocupado na década de 1960, mas foi depois do 25 de Abril e da chegada de imigrantes africanos, oriundos sobretudo de Cabo Verde, que a auto-construção se tornou maciça.

Hoje, estima-se que o número de moradores ultrapasse os seis mil, sessenta por cento dos quais de origem africana, e que dois terços trabalhem na construção civil, em limpezas e na restauração.

O processo está a ser divulgado nas páginas da internet da Direção-Geral do Património Cultural e pode ser consultado em http://www.matrizpci.dgpc.pt.