A zona de acesso ao Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, ficou submersa nesta segunda-feira, assim como as esplanadas do Parque Verde, além de outros estabelecimentos comerciais nas duas margens do rio Mondego.

A Câmara de Coimbra ativou, a meio da tarde de hoje, o plano de emergência para cheias e inundações, segundo nota de imprensa divulgada.

"A ativação deste plano prende-se com a circunstância do débito de água na ponte açude superar os 1.000 metros cúbicos de água por segundo", explanou nessa mesma nota, referindo que o plano colocou "em estado de prontidão" cerca de 50 elementos dos Bombeiros Sapadores de Coimbra, Voluntários de Coimbra e de Brasfemes, e duas equipas do Grupo de Intervenção e Proteção e Socorro da GNR.

De acordo com o município, a situação ao início da tarde, "apesar de crítica", "apontava para uma estabilização do caudal de água do rio Mondego".

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra indica que o pico de cheia aconteceu às 16:30, sendo expectável que dentro "de uma a duas horas comece a reduzir" o nível da água, por a Barragem da Aguieira "já ter começado a diminuir os caudais de descarga".

Segundo a fonte do CDOS, não há registo de desalojados, apenas "garagens, bares e esplanadas" afetados pelas cheias, assim como "alguns campos agrícolas" a jusante da ponte do Açude.

O CDOS refere ainda que há três estradas municipais cortadas ao trânsito, "mas são vias secundárias" e que não afetam a circulação automóvel.

Já a PSP afirma que o túnel de acesso entre a avenida Fernão de Magalhães e a margem esquerda está cortado, bem como pequenas vias junto à avenida Inês de Castro e o parque de estacionamento junto ao Exploratório.

Também o parque de estacionamento do Parque Verde está encerrado.