Cerca de dez habitações ficaram  inundadas, este sábado, ao nível do rés-do-chão na povoação do Cabouco, concelho de Coimbra, devido à subida das águas do rio Ceira, informou uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

A cheia, que também afeta a via pública naquela aldeia da freguesia de Ceira, teve origem num «problema técnico» ocorrido durante a noite na barragem do Alto Ceira, no concelho da Pampilhosa da Serra, relacionado com a gestão dos caudais deste afluente do Mondego, disse a fonte à agência Lusa.

Não há feridos a registar, mas a subida do nível da água «causou danos numa dezena de casas», adiantou.

A população do Cabouco está «habituada» às cheias do rio Ceira, mas desta vez  foi apanhada de surpresa. «Não choveu o suficiente para isto acontecer», disse à agência Lusa Fernando Martins, a morar há 18 anos naquela povoação do concelho de Coimbra, tendo sido acordado às 06:30 para ajudar «a salvar alguma maquinaria» do café do seu cunhado.

O alerta para o problema foi comunicado às autoridades cerca das 08:00. Encontravam-se pelas 11:00 no local 15 operacionais dos Bombeiros Sapadores e Voluntários de Coimbra, apoiados por cinco viaturas, além de elementos da GNR.

 O trânsito na rua que atravessa a povoação do Cabouco, nos arredores de Coimbra, foi cortado às 10:00 por causa da inundação.

Fonte da GNR adiantou à Lusa que, em alternativa à rua dos Coenços, que inclui a ponte antiga da aldeia, a circulação automóvel efetua-se através da nova travessia do Ceira, ligando o Cabouco à estrada da Beira (EN 17).