O interrogatório dos cinco arguidos detidos na sequência do Processo Lex vai prosseguir esta sexta-feira de manhã. Esta quinta-feira houve três audições, que começaram pelas 10:00 e terminaram cerca das 21:30. Pouco se sabe sobre os mesmos.

O primeiro a ser ouvido foi o arguido Octávio Correia, durante cerca de quatro horas, segundo informações recolhidas pela Lusa. O advogado deste arguido, Paulo Graça, disse à saída que a audição tinha “corrido bem”.

Os dois outros detidos interrogados hoje estiveram a ser ouvidos cerca de três horas cada.

Após os interrogatórios de hoje, os quatro arguidos homens regressaram aos calabouços do Estabelecimento Prisional anexo à Polícia Judiciária e a detida Rita Oliveira Figueira à prisão feminina de Tires.

Os cinco detidos voltam sexta-feira às instalações do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), no Terreiro do Paço, em Lisboa, para o interrogatório dos dois que faltam. Depois disso, serão sujeitos às medidas de coação decididas pelo juiz.

Rita Figueira foi dispensada da parte da tarde para ser inquirida na sexta-feira de manhã, segundo o seu advogado. Depois da hora de almoço, António Pinto Pereira, advogado de Rita Figueira, disse aos jornalistas que estava tudo a correr bem, mas que era uma inquirição longa. Foi feito então um reagendamento dos trabalhos, voltando a sua cliente na sexta-feira às 10:00.

A operação Lex, tem 13 arguidos, incluindo cinco detidos, e investiga crimes de branqueamento de capitais, fraude fiscal, tráfico de influências, corrupção/recebimento indevido de vantagens.

Entre os arguidos estão os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante - que serão ouvidos a 8 e 9 de fevereiro no Supremo Tribunal de Justiça - Rita Figueira, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o vice-presidente do clube Fernando Tavares.

Na operação, desencadeada na terça-feira, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.