O Ministério Público acusou um homem de 42 anos pela prática de 74 636 crimes de pornografia de menores agravados através internet, indicou esta terça-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a PGDL, o arguido, que está prisão preventiva desde janeiro, tinha no seu computador e nos mais variados ficheiros «um excecional volume de imagens contendo crianças em atos pornográficos com adultos ou em outras circunstâncias igualmente criminosas», que eram descarregadas de ficheiros de abuso sexual de crianças e depois as partilhava através da internet.

As imagens expunham «criminosamente menores entre os sete e os 14 e os 16 anos em situações de abuso sexual», tendo o arguido agido com a utilização dos denominados ficheiros «P2P», «eMule» e «Vuze», adianta a PGDL.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa diz ainda que o arguido foi detetado na sequência de uma operação realizada pelas autoridades da Polónia e «todos os ficheiros foram apreendidos e examinados», após uma busca domiciliária realizada a 13 de janeiro deste ano.

A investigação foi realizada pela secção do crime informático da Polícia Judiciária e dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.