Muitos pais controlam as idas dos filhos à Internet e, inclusive, o que podem ou não ver. É o chamado controlo parental, que, em certos moldes, um estudo vem agora colocar em causa. O projeto UE Kids Online, divulgado esta terça-feira, vem mostrar que as medidas restritivas impostas pelos pais para proteger os filhos dos perigos da Net acabam por «dificultar a literacia digital» e a capacidade de as crianças e os jovens lidarem com os riscos inerentes ao meio.

Em Portugal, como noutros países do sul da Europa, predomina por parte dos pais «a proteção pela restrição», conclui o relatório final do projeto que, desde 2006, tem pesquisado os riscos e oportunidades na internet para crianças e jovens, a partir do trabalho desenvolvido por mais de 150 investigadores de 33 países, que é divulgado em Portugal pela Universidade Nova de Lisboa (UNL), participante no projeto.

Para contrariar o «excesso de preocupação parental», os investigadores deixam alguns conselhos, como os pais apoiarem a exploração que os filhos fazem na Internet desde cedo e informarem-se sobre os benefícios e riscos que ela oferece.

«Aumentar as oportunidades dos mais novos, reforçar as suas competências para lidar com os riscos e a sua resiliência face a potenciais danos» é outro dos conselhos dados, bem como «serem claros sobre as expetativas e as regras relacionadas com comportamento online», cita a Lusa.

Mas há mais: «Pensar não só nos riscos mas também em atividades enriquecedoras, divertidas e em conteúdos positivos» e conversarem regularmente com os filhos sobre o que pensam que pode ser problemático na Internet.

Mais Internet, mais competências

«Mais uso» da Internet está «ligado a mais competências, a mais oportunidades para tirar partido dos benefícios da rede, e também a mais riscos». É o que conclui o relatório, ao reforçar que «quanto mais as crianças usam a Internet, mais ganham competências digitais, e mais alto sobem na ‘escada de oportunidades’ para recolherem benefícios da Internet»

Uma referência também para as mudanças verificadas nos padrões de uso da Net pelos mais novos, durante a terceira fase do projeto, de 2011 a 2014. Há uma viragem substancial: usam agora a internet em mais lugares e em mais momentos no seu dia-a-dia, e os dispositivos que permitem o acesso móvel estão a tornar esse uso mais privado.

Para a coordenadora nacional do projeto, um dos «resultados mais interessantes» em Portugal foi «o contraste» entre o número elevado de crianças de todos os meios sociais que acediam à Internet através dos seus portáteis e o baixo número de pais que eram utilizadores frequentes. «Há um contraste muito grande entre as condições que as crianças tinham em 2010, resultado da política educativa da altura, e a situação dos pais», afirma Cristina Ponte num vídeo divulgado pela UNL sobre a situação em Portugal.

Atualmente «a situação está diferente», mas há quatro anos «fazia-se sentir este grande contraste», sublinha. A investigadora sublinhou, ainda, que o número de crianças que acedia à rede no seu quarto está muito acima da média europeia, bem como em bibliotecas e em espaços públicos de acesso sem custos.

Cristina Ponte realçou, ainda, o facto de, muitas vezes, as crianças serem vistas como os elementos que introduziam a Internet na família. «Muitas delas, sobretudo dos meios mais desfavorecidos, consideravam que sabiam muito mais da Internet do que os pais».

«Tudo isto coloca um conjunto de desafios às famílias portuguesas para procurarem acompanhar mais de perto a experiências das crianças na Internet».