A ministra britânica do Interior, Theresa May, saudou a reabertura do inquérito em Portugal ao desaparecimento de Madeleine McCann, oficialmente anunciada nesta quinta-feira, e a «boa colaboração» entre as polícias dos dois países.

«Saúdo os desenvolvimentos que tiveram lugar e o trabalho que a Polícia Metropolitana está a fazer com a polícia portuguesa neste caso», afirmou, numa declaração à BBC, elogiando uma «boa colaboração que está agora a dar frutos».

Theresa May, que tutela a pasta da Segurança no Governo britânico, expressou ainda esperança na resolução do caso «para bem dos pais e da família».

Também a Scotland Yard, sede da polícia metropolitana de Londres, saudou a reabertura pelas autoridades portuguesas do inquérito ao desaparecimento da criança inglesa, que decorrerá em paralelo, mas separado da investigação britânica, num comunicado a que a agência Lusa teve acesso esta quinta-feira.

«Este é um desenvolvimento bem-vindo», afirmou o comissário adjunto, Mark Rowley.

De acordo com a polícia britânica, a decisão da reabertura do inquérito em Portugal decorreu da própria revisão do caso pela Polícia Judiciária, que identificou novas linhas de investigação.

Porém, as duas polícias decidiram que serão seguidas em paralelo com a «Operação Grange», o inquérito que a Scotland Yard abriu formalmente em junho, mas separadamente.

Foi este o resultado de uma reunião para discutir este desenvolvimento entre a hierarquia superior da PJ e dois agentes britânicos, Mark Rowley e o detetive inspetor chefe Andy Redwood, que dirige os cerca de 37 agentes a trabalhar na investigação britânica, em Lisboa a 17 de outubro.

No final do encontro, adianta a polícia britânica, juntaram-se os pais Kate e Gerry McCann, que também foram informados dos planos de reabertura do inquérito em Portugal.

«O encontro foi muito positivo e nós e a Polícia Judiciária partilhamos a determinação de fazer tudo para descobrir o que aconteceu a Madeleine», disse Mark Rowley, citado no mesmo comunicado.

O polícia britânica informou ainda que «no futuro próximo, detetives da Polícia Metropolitana da Operação Grange vão viajar regularmente para Portugal nos termos da Carta Rogatória Internacional relativa à investigação britânica».

Mark Rowley considerou que «a cada vez mais próxima relação de trabalho» entre as duas polícias constitui «a melhor oportunidade até agora para finalmente perceber o que aconteceu a Madeleine».

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, num apartamento de um aldeamento turístico no Algarve, enquanto os pais jantavam com um grupo de amigos num restaurante próximo.