“Significa investir um bocadinho no futuro porque grande parte do público são jovens médicos e, portanto, a ideia é que eles conheçam os rostos do outro lado e possam contactá-los sempre que necessário através de um telefonema ou através de um e-mail e vice-versa.”


“Como cidadãos gostaríamos de encontrar a cura para todos doentes com cancro mas, não sendo possível, podemos ter um objetivo mais terreno que é aumentar a sobrevivência das pessoas que padecem. Uma das formas de aumentar a sobrevivência é diagnosticar precocemente e uma das formas de diagnosticar precocemente é estar a atento a coisas que são simples, como a idade, fatores de risco ou história familiar. E ninguém melhor do que a medicina familiar para ter esses dados antes mesmo de se hospitalizar.”




“Existem indicações, recomendações, mas continua a ser algo muito individual, muito na dependência do médico assistente.”