Apenas 70 alunas do ensino militar levado a cabo pelo Instituto de Odivelas permanecem na instituição no ano letivo que agora se inicia. Segundo os dados do ministério da Defesa Nacional, conhecidos esta quinta-feira, 82 raparigas pediram transferência para o Colégio Militar, que funciona em regime misto.

As alunas que aina ficam em Odivelas são aquelas que estão a frequentar o 9.º e o 12.º ano, para que possam terminar os respetivos ciclos de ensino na instituição.

Do total de alunas que pediram transferência, 43 vão permanecer em regime de internato no Instituto de Odivelas.

Fonte da tutela, citada pela Lusa, indica que o ministério da Defesa assegura o transporte daquele instituto para as aulas no Colégio Militar e depois o regresso, até que as instalações que o governo mandou construir para receber as estudantes do sexo feminino estejam concluídas.

Se fizermos as contas, há quase 1.000 alunos no ensino militar. Colégio Militar, Instituto dos Pupilos do Exército e Instituto de Odivelas somam 983 inscritos, dos quais 338 são estudantes que entram agora pela primeira vez.

No Colégio Militar, o número total de alunos será de 627, dos quais 296 correspondem a novas matrículas, mais 133 do que no ano letivo anterior. Dos 627 inscritos, 212 são meninas e 415 são rapazes.

As novas inscrições de alunas (165) superaram este ano as de rapazes (131). No entanto, do número total de novas alunas 82 são as tais transferências do Instituto de Odivelas.

No ano letivo passado, o Colégio Militar tinha 428 alunos, 370 do sexo masculino e 49 meninas, registando a desistência de duas alunas ao longo do ano.

O Instituto dos Pupilos do Exército tem inscritos 286 alunos, 233 rapazes e 53 meninas, registando-se 124 novas matrículas.

A receção aos alunos decorre entre hoje sexta-feira, com as aulas a iniciarem-se oficialmente na próxima segunda-feira.

Um despacho do ministro da Defesa Nacional, de abril de 2013, determinou a transformação do Colégio Militar num internato/externato com rapazes e raparigas e a consequente construção de infraestruturas de internato feminino, absorvendo as alunas do Instituto de Odivelas.