A Autoridade Nacional de Proteção Civil enviou ao Ministério Público os resultados do inquérito sobre as circunstâncias em que foi prestado o socorro no acidente da A12, em dezembro de 2015, anunciou esta terça-feira o Ministério da Administração Interna.

“A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) extraiu certidão integral do processo e remeteu ao Ministério Público”, refere o Ministério da Administração Interna (MAI), em comunicado.

A 2 de dezembro de 2015, um acidente que envolveu 15 viaturas ligeiras, um autocarro de passageiros e um motociclo causou um morto e 15 feridos ligeiros, após as portagens do Pinhal Novo, na direção da Ponte Vasco da Gama, no sentido Setúbal/Lisboa.

Após informações sobre a possível demora na assistência à única vítima mortal, uma mulher de 55 anos, que só terá sido encontrada pelas autoridades no meio dos destroços mais de duas horas depois do choque em cadeia, o MAI ordenou à ANPC a abertura de um inquérito.

Na sequência das conclusões do inquérito, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, determinou o envio do processo à Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI), adianta o comunicado do MAI, sublinhando que “a ANPC remeteu também certidão do processo de inquérito à comandante operacional distrital de Setúbal para tratamento da matéria disciplinar”.

Após o inquérito realizado pela ANPC, foi ainda determinada a atualização do Plano Prévio de Intervenção da A12, indica ainda o MAI.

No momento do acidente “havia um nevoeiro cerrado”, afirmou, na altura, o comandante do destacamento de trânsito de Setúbal da GNR, capitão Antonino Ferreira.