A confederação nacional das associações de pais (Confap) defendeu, em moção, o teste de diagnóstico de inglês de Cambridge como uma «boa medida», de «grande relevância social», apelando à rápida resolução das «discordâncias» de professores e sindicatos.

«A Confap manifesta a sua preocupação e desentendimento face às discordâncias que foram conhecidas nas últimas semanas, esperando que possam ser resolvidas rapidamente e com o empenho de todos em defesa da escola pública, por forma a garantir as condições necessárias para a realização do PET [Preliminary English Test] e assim contribuir para salvaguardar o interesse das crianças e jovens», lê-se na moção aprovada a 28 de março, em assembleia-geral da Confap, e divulgada na quinta-feira no site da confederação.


Sublinhando que a aplicação do teste de diagnóstico, da responsabilidade do Cambridge English Language Assessment, instituto da Universidade de Cambridge «só é possível com o contributo e o envolvimento de todos, desde logo os professores», a Confap afirma que «a generalidade dos agentes educativos reconhece as muitas vantagens da aplicação do PET em Portugal».

A confederação de pais apela a que sejam dadas condições aos professores para realizarem o seu trabalho «no âmbito deste projeto, nomeadamente ao nível da formação específica relativa aos critérios de avaliação», e ainda a que a aplicação deste exame de certificação de proficiência linguística em língua inglesa possa progredir “no nível e gratuitidade» para «todos os jovens que frequentam a escolaridade obrigatória».

A posição da Confap surge num momento em que já está em vigor um pré-aviso de greve da plataforma sindical de professores, que inclui a Federação Nacional de Professores (Fenprof), a todo o serviço docente ao teste de inglês.

Esta semana ainda decorrem ações de formação dos 2.300 professores de inglês indicados pelas escolas para integrar a bolsa de classificadores da prova.

A plataforma sindical de professores decidiu a 31 de março manter o pré-aviso de greve entre 07 de abril e 06 de maio, por não ter obtido do Governo a garantia de que apenas serão envolvidos docentes que adiram voluntariamente ao serviço à prova.

Também a Federação Nacional da Educação (FNE) havia anunciado um pré-aviso de greve, que retirou após uma reunião no Ministério da Educação em que chegou a um entendimento com a tutela.

No ano passado, mais de 100 mil alunos realizaram o “Key for Schools”, mas este ano o nível de exigência será superior, já que a prova a aplicar será o PET.

A moção da Confap foi enviada ao Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ao ministro da Educação, Nuno Crato, ao Conselho Nacional de Educação, Conselho de Escolas, sindicatos de professores, associação de professores de inglês e parceiros sociais.