Se tem em casa medicamentos contendo paracetamol de libertação modificada ou prolongada vai ter de deixar de os tomar e deve entregar as embalagens na farmácia, aconselha a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed).

O Infarmed anunciou, esta sexta-feira, que as autorizações de introdução no mercado dos medicamentos com paracetamol de libertação prolongada foram suspensas porque a avaliação de segurança realizada pela Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) concluiu que trazem mais riscos do que benefícios. 

Por isso, se tiver dúvidas sobre se os medicamentos que tem em casa contêm paracetamol de libertação prolongada, o melhor a fazer é dirigir-se a uma farmácia ou contactar o seu médico assistente, indicou à TVI24 a assessoria do Infarmed.

Devem entregá-los na farmácia e perguntar ao farmacêutico ou ao médico que outros medicamentos podem tomar. Devem pedir informação porque existem alternativas eficazes e que não apresentam riscos”.

O Infarmed ressalva, ainda assim, que não há qualquer urgência na entrega das embalagens.

Os doentes que atualmente tomam comprimidos de libertação modificada contendo paracetamol podem continuar o tratamento com segurança, com os comprimidos remanescentes desde que cumpram com as indicações aprovadas e com a posologia recomendada. Quando os doentes já não dispuserem de comprimidos de paracetamol de libertação prolongada podem, de forma segura, mudar para uma formulação de paracetamol de libertação imediata ou para outro medicamento analgésico adequado”.

Em causa, no mercado português, estão os seguintes medicamentos: 

  • Panadol Prolong 665 mg
  • Diliband Retard 75 mg + 650 mg
  • Tramadol+Paracetamol KrKa 75mg + 650mg
  • Tramadol+Paracetamol Verum Pharma LP 75mg + 650 mg

O Infarmed sublinhou que esta suspensão “apenas se aplica aos medicamentos com libertação modificada ou prolongada contendo paracetamol e que se destinam a ter uma ação mais prolongada”. Os restantes fármacos com paracetamol podem continuar a ser usados.

O Infarmed explicou à TVI24 que os medicamentos com libertação modificada ou prolongada são aqueles “cujos efeitos se prolongam para lá de 12 horas”.

Libertação prolongada refere-se a uma formulação (neste caso comprimido) que irá libertar a substância ativa em taxa/velocidade diferentes das formulações de libertação convencional (imediata). Ou seja, os comprimidos de libertação prolongada irão por regra libertar a quantidade de substância ativa contida no comprimido durante mais tempo."

Ainda de acordo com o Infarmed, os medicamentos com paracetamol de libertação prolongada “apresentam toxicidade hepática, após ingestão de doses elevadas, que pode ser fatal se não for adequadamente tratada”.

O paracetamol é um dos compostos mais frequentemente utilizados a nível mundial, sendo o medicamento antipirético e analgésico mais utilizado desde 1955.