A greve de segunda-feira dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP) teve impacto na circulação de comboios, com 328 ligações a serem efetuadas das 1.355 previstas até às 22:00, disse à Lusa fonte da CP - Comboios de Portugal.

Dos 1.355 comboios que teriam circulado num dia normal até às 22:00, circularam 328 comboios, ou seja, estiveram em falta 1.027. O que esperamos até ao final do dia é que se mantenha este cenário”, disse à Lusa a fonte da CP.

Segundo a mesma fonte, é esperado que a partir das 00:00 a situação normalize na circulação ferroviária, depois de um dia em que a circulação ficou reduzida aos serviços mínimos de 25% decretados pelo tribunal arbitral, concentrados nas horas de ponta.

Adesão superior a 90%

O coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), José Manuel Oliveira, também disse à Lusa que só se realizaram os serviços mínimos ao longo deste dia de greve, que no setor ferroviário teve uma adesão superior a 90%.

No setor rodoviário a situação foi idêntica, com serviços encerrados ou a meio gás, mas foram mais visíveis os efeitos da greve na circulação ferroviária”, afirmou.

Adesão de 26 % na circulação ferroviária

Já a IP emitiu durante a tarde um comunicado em que afirmava, com base em dados recolhidos até às 13:00, que a paralisação teve uma taxa global de adesão na ordem dos 14%, sendo de 26 % na área da circulação ferroviária.

Estão a ser assegurados os serviços mínimos decretados pelo Conselho Económico e Social, na empresa e suas participadas, no que diz respeito ao comando e controlo da circulação de comboios de passageiros e mercadorias, tal como fixado pelo Tribunal Arbitral. Também está a ser assegurada a atividade do centro de controlo de tráfego, que promove todas as informações associadas ao tráfego rodoviário e a atividade das unidades móveis, que patrulham diariamente as estradas e prestam assistência aos automobilistas", disse.

A IP referiu ainda que está em curso "um processo de negociação coletiva com vista à harmonização dos vários regimes laborais em vigor nas empresas do grupo IP".

José Manuel Oliveira explicou à agência Lusa que a paralisação foi convocada, porque os trabalhadores das empresas do grupo IP não têm qualquer aumento desde 2009 e consideram que não podem esperar pelo final da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Os sindicatos reivindicam um aumento imediato na ordem dos 4%, que garanta um mínimo de 40 euros a cada trabalhador.

A IP é a empresa pública que resultou da fusão entre a Rede Ferroviária Nacional – REFER e a EP - Estradas de Portugal.