Vinte e três utentes do lar da Santa da Casa da Misericórdia de Penela apresentaram esta terça-feira sintomas de uma intoxicação alimentar, segundo disse à TVI o Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Coimbra. O Provedor da Santa Casa de Penela disse, porém, que afinal se trata de gripe.

Não há intoxicação alimentar nenhuma, foi um foco gripal mais complicado por se tratar de uma população idosa e débil, como são os utentes do lar. Lamento o alarmismo que se gerou em redor disto", disse à Lusa.

A TVI apurou que o primeiro alerta foi dado pelas 11:00.

O CDOS de Coimbra disse que 23 idosos apresentavam sintomas de intoxicação alimentar, mas, o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Penela, Fernando Antunes, disse inicialmente que o mais provável seria tratar-se de uma virose e que a situação está controlada.

O provedor da Misericórdia de Penela informou depois que 18 utentes da instituição foram transportados ao hospital por apresentarem sintomas de vómitos e diarreia, após uma utente "com várias patologias e também uns vómitos" ter sido avaliada pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) na instituição, depois da médica de família da doente ter indicado que devia ir ao hospital.

"O INEM, e bem, aproveitou para fazer o despiste de alguns sintomas de vómitos e diarreias [noutros utentes do lar] e transportou 18 para Coimbra. No total, são 21, porque desde sábado já outros três tinham ido ao hospital com os mesmos sintomas, foram medicados para a gripe e regressaram", adiantou Fernando Antunes.

"Estamos expectantes e crentes de que a maioria [dos utentes transportados aos hospitais de Coimbra] vai regressar hoje, depois de medicados como os outros", sustentou.

Embora argumente que não é médico, o provedor da instituição, ex-autarca de Penela e antigo deputado à Assembleia da República, reafirmou "a certeza" que de não se tratou de uma intoxicação alimentar.

Servimos 220 refeições por dia em várias valências, também no apoio domiciliário, não é só no lar e toda a gente come da mesma comida. Lamento o alarmismo causado por quem disse isso lá para o CDOS [Comando Distrital de Operações de Socorro], mas temos a certeza de que é a gripe que anda por aí."

Lar vai ser alvo de investigação sanitária

O Lar da Santa Casa da Misericórdia de Penela vai ter uma investigação sanitária completa para avaliação e reforço das medidas de higiene e de segurança, após um surto de gastroenterites, disse hoje a Administração de Saúde do Centro.

Em comunicado, a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) diz que o Delegado de Saúde Regional do Centro foi informado da ocorrência de um surto de gastroenterites ocorridas na Santa Casa da Misericórdia de Penela.

“Adoeceram 21 de um total de 71 residentes, o que corresponde a uma percentagem de 30%. Todos apresentavam sintomatologia ligeira com predominância de náuseas e diarreia moderada, em média com menos de duas dejeções por dia, com início de sintomas no dia de ontem”, lê-se na nota.

Até ao momento, indica a ARSC, “não foi possível formular a hipótese de ingestão de um alimento suspeito, prosseguindo, no entanto, a investigação epidemiológica”. “Aguardam-se resultados laboratoriais das amostras de alimentos colhidos pela ASAE e pelas Autoridades de Saúde, existindo poucas probabilidades de virmos a obter amostras de produtos provenientes dos doentes o que impede a eventual comparação de agentes infecciosos.”

Tudo parece indicar tratar-se de uma “situação benigna eventualmente devida a agentes virais frequentes nesta época do ano”, salienta a Saúde do Centro.

Os doentes tinham “idades compreendidas entre os 66 e os 94 anos; foram observados por uma equipa do INEM que se deslocou ao Lar da Santa Casa de Misericórdia, tendo sete sido transportados para os serviços de urgências do Hospital Geral e 10 para os serviços de urgências dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC)”.

Destes, 13 são mulheres e quatro homens.

Foi feito tratamento sintomático basicamente constituído por hidratação endovenosa e, até ao momento, 14 já tiveram alta - os 10 que foram observados na urgência dos HUC e quatro dos sete que foram observados na urgência do Hospital Geral.

Permanecem três doentes em observação na urgência do Hospital Geral para completarem a hidratação.

“Em ambos os serviços de urgência, nenhum doente apresentou vómitos ou diarreia durante o internamento de curta duração. Foram colhidas amostras de alimentos em colaboração com a ASAE, não tendo sido possível obter amostras de vómitos ou diarreia porque nenhum dos doentes apresentou estes sintomas”.