O Ministério da Administração Interna (MAI) garantiu esta quinta-feira que os três helicópteros KAMOV parados para operações de manutenção e testes vão estar disponíveis para a época de incêndios florestais.

Segundo o MAI, dos cinco helicópteros KAMOV do Estado, dois estão operacionais, outros dois em operações de manutenção e reparação e um ainda em testes depois de ter sido reparado.

O esclarecimento do MAI surge após o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) ter anunciado, na quarta-feira, que deixou de ter disponíveis os dois helicópteros Kamov de transporte de doentes e essa suspensão durará as próximas seis semanas.

Esta paragem estará relacionada com a transferência de gestão dos helicópteros da ANPC para a empresa Everjets, que ganhou este ano o concurso público de operação e manutenção dos aparelhos.

Em comunicado, o MAI refere que todas «as operações de manutenção, reparação e alteração dos termos contratuais dos serviços prestados por outras entidades, foram planeadas no sentido de não prejudicar a integração destas aeronaves no DECIF (Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais)».

O MAI adianta que, no âmbito do protocolo INEM, ANPC e EMA (Empresa de Meios Aéreos), a Autoridade Nacional de Proteção Civil informou o INEM da indisponibilidade para o empenhamento em missões deste instituto das aeronaves até ao início do DECIF de 2015, o que corresponde às referidas seis semanas.

Segundo o MAI, tratou-se «sempre de um prazo máximo indicativo e limitado a determinado tipo de missões e nunca de uma paragem de frota ou da sua indisponibilidade para combate a incêndios florestais».

«No âmbito do planeamento do DECIF 2015, foi confiada à ANPC a responsabilidade de prever, do ponto de vista operacional, sempre que necessário com reforço de meios, formas de suprir indisponibilidades pontuais que possam vir a verificar-se no que respeita às aeronaves do Estado», sublinha a nota do ministério.

O MAI refere ainda que a frota Kamov corresponde a cinco aeronaves do total de 49 previstas para o DECIF do ano de 2015, sendo a sua operacionalidade relevante para o dispositivo.

O INEM utiliza habitualmente dois helicópteros Kamov, com base em Loulé e Santa Comba Dão, para transporte de doentes, sobretudo em emergências durante a noite, interrompendo esse serviço durante a época de fogos florestais.

Para fazer face a esta ausência antecipada dos dois helicópteros, o INEM explicou que está a utilizar uma aeronave Agusta 109 (da Base Aérea de Beja) para toda a região sul do país e reforçou em Beja com uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER).

A empresa Everjets vai ser responsável pela operação e manutenção dos helicópteros Kamov do Estado nos próximos quatro anos, depois de ter vencido concurso público de valor superior a 46 milhões de euros.