O ministro da Saúde anunciou esta quarta-feira, em Sintra, que o Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) vai dispor, a partir de 01 de março, de uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), para responder com maior prontidão.

"É um facto, há quatro anos que o hospital Amadora-Sintra devia ter uma VMER, não a tinha, isto é uma situação que importa mais do julgar os efeitos de não ter sido feito é resolver o problema", afirmou Adalberto Campos Fernandes, acrescentando que, "no princípio de março", a unidade terá uma viatura de emergência.

O governante, que se reuniu com o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta (PS), reconheceu que o despacho normativo para a existência de uma VMER no Amadora-Sintra tem quatro anos e que "o hospital tinha obrigação de dotar a unidade da viatura", mas garantiu que tal será assegurado a partir do próximo mês.

"O hospital Amadora-Sintra tem sido muito sacrificado, foi dimensionado para 300 mil habitantes e está a servir 600 mil. Nós temos de encontrar novas respostas, estamos a fazer numa parceria muito estreita com a câmara municipal, com as autarquias", salientou Adalberto Campos Fernandes.

O presidente da Câmara de Sintra congratulou-se com a decisão anunciada pelo ministro e adiantou que o Serviço de Urgência Básica (SUB) de Algueirão-Mem Martins será transformado "numa verdadeira urgência", passando a receber grupos de utentes que atualmente vão para a urgência do Amadora-Sintra.

"Isto é de uma importância enorme, porque são 100 mil pessoas que são ali atendidas", considerou Basílio Horta, acrescentando que o SUB será ampliado com mais um médico e enfermeiros e dotado de mais meios de diagnóstico.

A falta de uma VMER no Hospital Fernando Fonseca tem sido criticada na sequência da morte do ator José Boavida com uma paragem cardiorrespiratória, em Queluz, que teve de ser assistido por uma viatura do Hospital São Francisco Xavier, apesar da maior proximidade da unidade que serve os concelhos de Amadora e de Sintra.

O ministro visitou ainda os centros de saúde de Agualva e de Queluz, para avaliar as necessidades de construção de quatro novos centros de saúde no município, já protocolada com o Governo PSD/CDS-PP.