Em 2011, 72% da população portuguesa residia em áreas predominantemente urbanas, embora estas representassem apenas 18% do território nacional, de acordo com o Retrato Territorial de Portugal, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados da 4.ª edição do Retrato Territorial de Portugal revelam ainda que 15% da população residia, naquele ano, em áreas medianamente urbanas (correspondentes a 20% do território nacional) e apenas 13% em áreas predominantemente rurais, cuja extensão territorial corresponde a mais de 3/5 (62%) da área total do país.

Segundo o INE, em 2011, a proporção de população residente em áreas predominantemente urbanas era mais elevada na Área Metropolita de Lisboa (96%), seguida da Região Autónoma da Madeira (82%) e do Norte (73%) e mais baixa nos Açores, onde não ultrapassava os 45%.

A proporção de população residente e área foi aferida segundo a tipologia de áreas urbanas (TIPAU 2014, uma nomenclatura territorial da intensidade de urbanização em Portugal), mediante a classificação exaustiva das freguesias do território nacional, em três categorias: Área predominantemente urbana, área mediamente urbana e área predominantemente rural, explica o INE.