Portugal em 11.º e Timor-Leste em 58.º são os países de língua oficial portuguesa mais bem colocados entre os 162 listados no Índice Global de Paz 2015, que não classifica Cabo Verde nem São Tomé e Príncipe.

O estudo divulgado hoje e produzido pelo Instituto para Economia e Paz, sediado em Sydney, apresenta a Islândia como o país mais pacífico do mundo e a Síria como o pior dos 162 estados, que possuem 99,6% da população mundial.

Portugal aparece entre a República Checa, o 10.º mais pacífico, e a Irlanda, enquanto Timor-Leste é antecedido pelo Montenegro e seguido pela Serra Leoa.

Dos restantes países de língua oficial portuguesa Moçambique ocupa a 80.ª posição, seguido pela Guiné Equatorial na 81.ª, enquanto Angola está em 88.º lugar, o Brasil em 103.º e a Guiné-Bissau em 120.º.

A Guiné-Bissau foi o país que registou a maior melhoria de pontuação entre os 162 da lista, tendo subido 24 lugares. “A realização de eleições credíveis e predominantemente pacíficas em 2014 reduziu as tensões e melhorou a segurança”, explica o estudo.

Os indicadores utilizados para elaborar a lista dos países incluem segurança pública, violência policial, taxa de homicídios, justiça social, terrorismo, participação em conflitos, grau de militarização e gastos com armas.

Brasil, Guiné Equatorial e Guiné-Bissau aparecem ainda no estudo na lista dos 31 países com mais elevadas taxas de homicídio, que é encimada pelas Honduras.

Com uma taxa de 25,2 homicídios por 100.000 habitantes, o Brasil aparece na 12.ª posição, enquanto a Guiné Equatorial ocupa a 17.ª com uma taxa de 19,3 e a Guiné-Bissau a 27.ª com uma taxa de 15 homicídios.

O Brasil integra ainda a lista dos 10 países que mais gastam na contenção da violência, aparecendo em 5.º lugar com um gasto de 255 mil milhões de dólares (226 mil milhões de euros). A lista é liderada pelos Estados Unidos, a que se seguem a China, Rússia, Índia, Brasil, México, Alemanha, Arábia Saudita, Iraque e Reino Unido.

De acordo com o Índice Global de Paz 2015, o impacto da violência na economia global foi de 14,3 biliões de dólares (12,6 biliões de euros), o equivalente a 13,4 % do produto interno bruto (PIB) mundial o ano passado.