O presidente da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, José Brito, afirmou à agência Lusa que esta manhã o fogo esteve "praticamente dominado", mas que agora os "reacendimentos são muitos".

Estava mais calmo de manhã, estava praticamente dominado o incêndio, mas como a área é muito grande, os reacendimentos são muitos", afirmou o autarca.

Apontando que "na Pampilhosa esteve sempre mau, porque os meios nunca foram muitos", José Brito adiantou que "agora já há mais meios no terreno" para combater as chamas.

Espero bem que consigam ir apagando os reacendimentos, por forma a conseguir preservar o que ainda está verde", disse, advogando que são necessários também "muitos meios ainda no terreno para fazer o rescaldo".

José Brito elencou que a área ardida naquele concelho do distrito de Coimbra já ascende aos 12 mil hectares.

Retiradas "84 pessoas"

O presidente da Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra apontou ainda que foram retiradas das suas casas "84 pessoas, que estão na sede do concelho".

Para já não há nenhuma aldeia em perigo", apontou, ressalvando que "atendendo aos reacendimentos travou-se o regresso das pessoas" às suas casas.

O autarca referiu ainda que "as que estão desalojadas é por precaução, devido a uma nuvem de fumo muito densa" que se faz sentir naquela zona do país.

Segundo o último balanço das autoridades, os incêndios no centro do país já provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos.

O incêndio que deflagrou no sábado, no concelho de Góis, progrediu para o concelho de Pampilhosa da Serra, com o qual faz fronteira.