Dos 951 incêndios que ocorreram entre os dias 22 e 28 de agosto, 353 deflagraram durante a noite, tal como já tinha acontecido na semana anterior, de acordo com o comandante operacional de proteção civil.

No encontro semanal com jornalistas sobre a situação dos incêndios florestais, Rui Esteves disse que, mais uma vez, 37 por cento dos incêndios deflagraram à noite, sendo que essa percentagem aumentou para 42% nos dias 25 e 26.

Os 951 incêndios florestais foram combatidos por 25.581 operacionais, apoiados por 6.582 veículos.

Os distritos onde foram registadas mais ocorrências de fogo foram Porto, Viseu e Aveiro, e os que tiveram mais área ardida foram Castelo Branco e Guarda.

Rui Esteves ressalvou que, na última semana, registou-se uma diminuição de 25% das ocorrências, isto é, houve menos 325 incêndios.

Desde o início deste ano até segunda-feira já arderam em Portugal 188 mil hectares, resultado de 12.347 ocorrências de fogo, mais 3.400 do que em igual período do ano passado, durante o qual arderam 116 mil hectares.

Quanto à previsão meteorológica para os próximos dias, está prevista a ocorrência de aguaceiros e trovadas e humidade relativa do ar com tendência para subir em todo o território.

“Há um desagravamento do risco de incêndio em todo o território nacional. Porém, no dia 31 voltamos a ter situações um pouco mais graves, nomeadamente em Castelo Branco e no Algarve com índice de risco de incêndio elevado”, sublinhou Rui Esteves.